Caso Panamericano: Polícia Federal quebra o sigilo do irmão de Silvio Santos

Família Abravanel era proprietária do Banco Panamericano

Lembram do imbróglio envolvendo a crise e a venda do Banco Panamericano? Pois é, a história voltou a ganhar manchetes nesta quarta-feira (19). A 10ª Vara da Justiça Federal de Brasília autorizou a quebra do sigilo do irmão de Silvio Santos, o diretor-conselheiro do banco Henrique Abravanel.

Ele e outras 42 pessoas são investigadas na Operação Conclave, da Polícia Federal. A investigação está em cima do processo de venda de ações do Banco Panamericano, que era da família Abravanel, para a Caixa Econômica Federal, em 2009.

Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Federal, a apuração é sobre a suposta prática de crimes de gestão temerária e gestão fraudulenta nos negócios. O banco foi vendido posteriormente para o BTG Pactual, em 2011.

Entenda o caso

A Caixa comprou 49% das ações do banco em 2009 por R$ 739,3 milhões. No ano seguinte, descobriu-se que a instituição financeira tinha um rombo bilionário. Foi um escândalo na mídia na época e o próprio Silvio Santos precisou vir a público para dar explicações. A família Abravanel, então, saiu do negócio vendendo suas ações para o BTG, de André Esteves.

Henrique assinou o contrato de compra e venda das ações da CaixaPar, em 2010. Outro alvo da quebra do sigilo é Luiz Sebastião Sandoval, presidente do Grupo Silvio Santos à época dos fatos, e que deixou a presidência do grupo em 2010.

Henrique Brinco
Henrique Brinco é baiano, formado em Comunicação Social pela Unijorge, de Salvador. Atua no jornalismo desde 2008, passando pelas editorias de política, cidades, cultura e entretenimento em diversos portais de notícias, locais e nacionais. É colaborador do RD1 desde 2012, onde já foi responsável pela editoria de Famosos e autor da coluna Por Trás da Mídia. É fã número 1 de reality shows. Fala besteira no Twitter (@brinco) o dia todo também!
Veja mais ›