Chacrinha bate recorde no último capítulo, mas fica abaixo de reprise

Chacrinha
Stepan Nercessian no papel-título de Chacrinha; minissérie bate recorde de audiência no último capítulo (Imagem: Reprodução / IMDB)

Chacrinha – A Minissérie, versão estendida do filme de Andrucha Waddington, chegou ao fim na sexta-feira (17) com recorde de audiência. A produção, porém, ficou abaixo de O Auto da Compadecida (1999), clássico da Globo reapresentado na primeira semana de janeiro, em comemoração aos 20 anos de lançamento. Os dados são referentes a Grande São Paulo.

O último capítulo de Chacrinha registrou 24,2 pontos, sua melhor média. De 14 a 17 de janeiro, a minissérie emplacou 22,6 pontos. Já O Auto da Compadecida, entre 7 e 10 do mesmo mês, garantiu 26,5.

Chacrinha, porém, ficou acima da minissérie biográfica, derivada de longa-metragem, exibida ano passado – Elis – Viver é Melhor que Sonhar (18,6), sobre a cantora Elis Regina. Também perdeu para Aldo – Mais Forte Que O Mundo (23,5, em 2017), inspirada na vida do lutador José Aldo.

Chacrinha acompanhou a trajetória de Abelardo Barbosa (Eduardo Sterblitch / Stepan Nercessian), da juventude a volta à Globo na década de 1980. Ele encerrou sua carreira na emissora pela qual já havia passado nos anos 1960 – e da qual saiu por conta de um atrito com Boni (Thelmo Fernandes). Os problemas pessoas, como o acidente do filho numa piscina, também integraram a narrativa.

Ainda na sexta, a Globo marcou 8,6 pontos com o Bom Dia São Paulo, 9,3 para o Bom Dia Brasil, 7,2 do Mais Você e 7,5 com o Encontro. O SP1 atingiu 11, enquanto o Globo Esporte anotou 10,9; ambos abaixo do Jornal Hoje, alcançando 11,2 de média, antes dos 8,6 do Se Joga. A Sessão da Tarde elevou para 13,4 pontos, apresentando A Bússola de Ouro (2017).

No horário nobre, 25,9 para o SP2 e 30,3 do Jornal Nacional. Após Chacrinha – A Minissérie, a Sessão Globoplay bateu 15 de média com a série Jogo de Espiões. O Jornal da Globo consolidou 10,7 pontos; depois, 7,8 para Agentes da Shield. Ainda, a faixa dupla do Corujão, trazendo os 4,6 de Juventudes Roubadas (2014) e os 4,3 de O Ano Mais Violento (2014).

CONTINUE LENDO →

Duh Secco é “telemaníaco” desde criancinha. Em 2014, criou o blog “Vivo no Viva”, repercutindo novelas e demais atrações do Canal Viva. Foi contratado pela Globosat no ano seguinte. Integra o time do RD1 desde 2016, nas funções de repórter e colunista. Também está nas redes sociais e no YouTube (@DuhSecco), sempre reverenciando a história da TV e comentando as produções atuais.

ALERTAS GRATUITOS