“Daniela foi a única mulher que eu não traí”, diz Moacyr Franco no “De Frente Com Gabi”

Moacyr Franco e Marília Gabriela no "De Frente com Gabi" (Carol Soares / SBT

Esse conteúdo não pode ser exibido em seu navegador.

Crédito: Carol Soares/SBT

No “De Frente Com Gabi” deste domingo, 06 de novembro, Marília Gabriela recebe em sua bancada o comediante, cantor, ator e apresentador Moacyr Franco. Mineiro de Ituiutaba, Moacyr acaba de completar 75 anos e vem ao programa para falar sobre sua recente participação no filme “O Palhaço”, sobre sua carreira, seus amores, suas histórias engraçadas e seus planos para o futuro.

Confira abaixo as melhores frases da entrevista:

Daniela foi a única mulher que eu não traí.

Tive 5 casamentos. Com ela (Daniela) foi a única vez em que eu quis casar.

Eu me apaixonei e não queria perdê-la. (sobre Daniela)

Nós nunca brigamos na frente deles (dos filhos).

Nunca mais entrou outra mulher na minha casa.

O retrato dela (Daniela) ficou até outro dia na minha cabeceira. Foram meus filhos que resolveram tirar.

Já está tudo resolvido. Ela (Daniela) está namorando faz algum tempo.

Passo por uma fase hoje em que eu não tenho para quem telefonar.

Ele é muito bom diretor. (sobre Selton Mello)

Selton parou a festa, me carregaram no colo. (sobre o prêmio de melhor ator coadjuvante  em “O Palhaço, no Paulínia Festival de Cinema)

Eu falo para as pessoas não terem dó de mim por causa desse tremor. Isso não é Parkinson, é porque eu tive Mal de Lyme.

Eu fui para a política, mas é porque eu estava bêbado na ocasião. Eu tinha ido numa churrascaria e tomado uns chopps, aí me fizeram assinar os papéis para o partido.

Ganhei seis prêmios Roquette Pinto na década de 60.

Fiquei na roça até os 12 anos.

Eu era pintor. Pintava os cartazes dos filmes em Uberlândia e por isso via 20 vezes o mesmo filme.

Aprendi a falar inglês escutando cinema.

Um maestro queria contratar meus serviços como pintor e eu disse que era de graça se ele deixasse eu cantar.

Aceito elogios, modéstia a parte, como autor.

Boni me bancou, porque eu era caipira.

Eu mesmo saí da Bossa Nova porque eu não era nada daquilo.

Aprendi muito com o Procópio Ferreira.

Faço dieta ortomolecular há 40 anos. Faço 5 exames por ano e ginástica todo dia.

Eu tenho pra mim que o homem deve ter filho depois dos 50 anos.

Eu gosto de vinho doce, aqueles de R$ 4,50.

Sempre desprezei o dinheiro. Nunca sei quanto eu tenho.

João Paulo Dell SantoJoão Paulo Dell Santo
João Paulo Dell Santo consome TV e a leva a sério desde que se entende por gente. Em 2009 transformou esse prazer em ofício e o exerceu em alguns sites. No RD1, já foi colunista, editor-chefe, diretor de redação e desde 2015 voltou a chefiar a equipe. Pode ser encontrado nas redes sociais através do @jpdellsanto ou pelo email jpdellsanto@rd1.com.br.
Veja mais ›