Desgaste no formato? “A Fazenda” perdeu quase a metade de sua plateia

Apesar de representar uma das maiores audiências diárias da Record, “A Fazenda – Nova Chance” é a temporada que mais afugentou o público do reality show desde 2009, ano em que estreou na emissora dos bispos.

De acordo com um levantamento feito por esta coluna, a 9ª edição do programa comandado por Roberto Justus deve chegar ao fim com 8 pontos de média, já que desde a estreia, em setembro, apresenta pouca oscilação na audiência.

A queda em relação à última edição, que já havia desagrado o canal, é de 2 pontos, mas se comparamos com as edições passadas, a diferença impressiona.

A primeira edição da atração marcou 15 pontos de média, praticamente o dobro da temporada atual. Na época, a emissora chegou a liderar com 31 pontos na grande final, repetindo os mesmos índices em 2010, na terceira edição do programa. De 2012 para cá, a Record vem observando uma preocupante queda.

Repercussão

Para Rafael Dragaud, diretor de projetos especiais da Globo e ligado às questões de Direitos Humanos, o afastamento de William Waack da apresentação do “Jornal da Globo” foi “uma atitude branda”, mas a decisão da Globo em não aceitar declarações de cunho racista “traz alívio e reduz um pouco o constrangimento”. “Esse país precisa transformar o racismo em passado”, escreveu o profissional em sua página no Facebook.

Falando nisso

Maior jornal do estado de Minnesota, dos Estados Unidos, o “Star Tribune” também repercutiu o afastamento do jornalista brasileiro, e afirmou que o Brasil tem um legado racista por ter sido o maior mercado de escravos do mundo e também o último das Américas a abolir a escravidão.

“Os brasileiros de pele escura são mais propensos a serem pobres ou sofrerem violência em relação às pessoas brancas. […] só recentemente eles começaram a ter acesso às universidades e posições de destaques no mercado de trabalho”, diz a publicação.

O jornal ainda destaca que William Waack foi um dos mais importantes e respeitados correspondentes internacionais do jornalismo brasileiro e que fez história ao cobrir a primeira Guerra do Golfo, em 1990, e o Fim da União Soviética, em 1991, para a TV Globo.

Luz, câmera, ação!

Na semana passada, a Record mobilizou dezenas de funcionários para gravar cenas de um tsunami que irão ao ar no primeiro capítulo de “Apocalipse”, que estreia no próximo dia 21. Milhares de litros de água foram despejados por meio de uma grande rampa nos atores Deborah Kalume, Fhelipe Gomes e Gil Hernandez, que participaram das sequências. Promete!

Apelou

Com caracterização digna do seriado “Chaves”, o novo quadro da “Eliana”, “Com o Passar dos Anos”, se transformou na maior forçação de barra da TV. Na última semana, os produtores da atração tiveram a incrível ideia de mostrar a reação de Larissa Manoela com a possível ausência da mãe, que já estaria morta quando a atriz chegasse aos 96 anos. Precisava disso?

Larissa Manoela de visual novo

Falando nela

Larissa Manoela voltou a usar os cabelos escuros para interpretar Mirella em “As Aventuras de Poliana”, próxima novela infantil do SBT. O visual da estrela será mantido por 2 anos, o tempo em que a trama adaptada por Íris Abravanel ficará no ar.

Fim da novela

Superando os boatos de que novamente perderia vaga na faixa das 21h da Globo, Aguinaldo Silva está a todo vapor escrevendo a sinopse de sua nova novela, “Enquanto o Lobo Não Vem” [título provisório]. O autor não lamenta mais pelo fim de “O Sétimo Guardião” e está totalmente focado neste novo trabalho, agora previsto para novembro de 2018.

Saiba Mais:

Curto-Circuito (04/11): Globo grava cenas de “O Outro Lado do Paraíso” em cenário de “A Força do Querer”

Curto-Circuito (27/10): Ex-aluno que processa Aguinaldo Silva quer emplacar novela na Globo

Recomendados para Você:

COMENTÁRIOS - Interaja Você Também! ⬇

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. Está opção de comentário NÃO publica automaticamente nada em seu Facebook, fique tranquilo!