Ex-motorista acusa Alexandre Frota de utilizá-lo como “laranja”

COMPARTILHE
Ex-motorista de Alexandre Frota acusa deputado federal de usá-lo como laranja em duas empresas (Imagem: Reprodução / Facebook)

O deputado federal Alexandre Frota (PSL-SP) é alvo de uma denúncia feita pelo seu ex-motorista, Marcelo Ricardo Silva, que em depoimento ao Ministério Público de São Paulo acusa o antigo patrão de utilizá-lo como laranja.

Segundo ele, o parlamentar havia pedido para que assumisse a titularidade de duas empresas em troca de promessas de compensações. Além disso, o ex-funcionário contou que recebia, por orientação do chefe, pagamentos de terceiros e os repassava para a mulher do ex-ator, Fabi Frota.

Ao jornal “Folha de São Paulo”, Silva fez outras acusações, afirmando que a campanha eleitoral de Frota foi paga por amigos empresários, e que os recursos não foram repassados para a Justiça Federal. Ele ainda garantiu que chegou a trabalhar por cerca de 20 dias no gabinete do político em fevereiro, sendo exonerado no final do mês.

Procurado pela “Folha”, Frota negou, em nota, todas as acusações e acrescentou que estaria sendo vítima de “práticas de ameaças e extorsão“. “Dessas condutas criminosas, em março de 2019, o deputado lavrou um boletim de ocorrência na Polícia Civil de Cotia (SP) e uma representação perante a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados (razão porque o mesmo está proibido de lá adentrar)

“, disse no texto.

No seu relato, Marcelo contou que conseguiu um emprego na TV Nova Cidade graças ao ex-chefe e, pouco tempo depois, recebeu a proposta de ser “laranja” nas duas empresas do deputado: a F. R. Publicidade e Atividades Artísticas e a DP Publicidade Propaganda e Eventos Ltda.

Ele [Frota] falou: ‘eu tenho essas duas empresas minhas’. Vou passar para o teu nome, e vou te dar uma porcentagem. Eu falei beleza, tá bom, crente que ia ganhar alguma coisa“, relatou. Frota assegura que todas “opções empresariais foram lícitas“: “Toda a relação com o mesmo anteriormente a 2019 foi privada“, defendeu-se ainda na nota.

Sobre o seu trabalho na campanha eleitoral que fez Frota chegar ao posto de deputado federal, Marcelo explicou que após encerrar suas atividades como motorista era orientado a fazer panfletagem. Em um áudio divulgado ao jornal, Frota questiona o então funcionário sobre a “operação de distribuição de santinhos“.

Nesta época, o denunciante disse receber os seus pagamentos pelos amigos de Frota, um dono de uma concessionária em São Paulo e outro diretor de uma escola. Frota então negou a possibilidade de Marcelo ter trabalho para sua campanha. “Da pretensa relação em campanha: não houve, pois

[Marcelo Silva] nunca atendeu à campanha eleitoral. De outro modo, a sua relação era trabalhista, como motorista, com registro em carteira, para atendimento doméstico, de Alexandre [Frota] e de sua família“, desmentiu.

CONTINUE LENDO →

A Redação do RD1 é composta por especialistas quando o assunto é audiência da TV, novelas, famosos e notícias da TV.  Conta com jornalistas que são referência há mais de 10 anos na repercussão de assuntos televisivos, referenciados e reconhecidos por famosos, profissionais da área e pelo público. Apura e publica diariamente dezenas de notícias consumidas por milhões de pessoas semanalmente. Conheça a equipe.

ALERTAS GRATUITOS
Deixe sua opinião!