Coluna "PRIMEIRA PÁGINA" aborda impasse envolvendo novo programa de Fátima Bernardes

Por mais que a Globo e Fátima Bernardes digam a quem interessar possa que o projeto da ex-apresentadora do “Jornal Nacional” estava nos planos do canal desde 2009, há algo nessa história que não convence. O quebra-cabeça está incompleto.

Antes de anunciar sua saída do telejornal de maior audiência do país, a esposa de William Bonner disse em coletiva no Rio que sonhava com tal projeto desde 2008. Um esboço, então, foi entregue à direção da emissora no ano seguinte. A Globo solicitou ajustes no projeto, e pediu para que a jornalista esperasse até as eleições de 2010, pois necessitaria de sua colaboração no pleito. No início de 2011, Bernardes se reuniu novamente com Octávio Florisbal, o todo-poderoso do canal, ficando decidido que naquele mesmo ano seria encontrada a oportunidade ideal para anunciar a sua saída da bancada do “JN”.

Em dezembro, o anúncio foi feito, pegando a todos de surpresa. Várias teorias surgiram. Crise no casamento? Puxada de tapete? Em busca de um sonho profissional? E logo em seguida veio o espanto, Patrícia Poeta, então no “Fantástico”, foi escolhida para a vaga de substituta. A imprensa, em polvorosa, atira até hoje para todos os lados, tentando desvendar o sigiloso projeto da senhora Bonner. Até aqui ninguém passou perto. Não pelo fato de a Globo esconder a sete chaves o formato, pelo contrário, não existe formato.

E a questão parte daí. Em declarações recentes, componentes da direção do programa falaram que não há um formato certo. Não há pressa também. A estreia, programada para abril, junto com a nova programação da emissora, foi adiada para junho, e, agora, para “meados do segundo semestre”. Um demonstrativo de que não existia projeto algum, apenas uma vontade de alçar voo solo, no máximo.

William Bonner e Fátima Bernardes recepcionam Patrícia Poeta no "JN"

Para tentar calar a imprensa, a emissora montou uma redação do programa em seus estúdios no Rio. Bernardes chega cedo e sai à noite. Pilotos e mais pilotos são gravados. Um formato é buscado. E a teoria da puxada de tapete volta a incomodar. Teria sido Fátima mais uma vítima do clássico “manda quem pode, obedece quem tem juízo”? Se o programa ficaria para “meados do segundo semestre” porque não deixar a jornalista no “JN” até junho, por exemplo? E por que Patrícia Poeta? Por que outras opções sequer foram cogitadas?

Poeta, linda e competente profissional, mas uma criança na profissão perto do “monstro” Fátima Bernardes, é apenas mulher de Amaury Soares, ex-diretor de jornalismo da Globo  em São Paulo e Nova York e atual pretendente à vaga de Ali Kamel, chefão do jornalismo das Organizações Globo. Um resumo que explicaria a inexplicável saída de Bernardes do “Jornal Nacional” sem ao menos esta ter um projeto pronto. Manda quem pode, obedece quem tem juízo.

 

Recomendados para Você:

COMENTÁRIOS - Interaja Você Também! ⬇

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. Esta opção de comentário NÃO publica automaticamente nada em seu Facebook, fique tranquilo!