SBT: O tempo passa e o canal continua “pouca prática”

Silvio Santos "voltou" a apitar no SBT
Silvio Santos “voltou” a apitar no SBT

Tudo parecia tranquilo na Anhanguera. Silvio Santos não estava tendo surtos, mudando frequentemente a grade de programação do SBT e a emissora seguia sua vida, investindo pesado em… reprises.

Foi quando saiu a notícia sobre a dispensa da dupla Patati e Patatá, seguida da suspensão do “Carrossel Animado”. Posteriormente a assessoria do canal desmentiu tudo, anunciando que os palhaços fariam parte de um revezamento no comando do “Bom Dia & Cia”.

No final da última semana, outro palhaço foi atingido pelo humor de Silvio Santos: após três meses no ar, o “Programa do Bozo” também estava saindo de cena.

Tudo isso tem uma explicação.

Estamos falando de um canal de TV acomodado e que, aparentemente, espera por algum milagre para que possam recuperar a vice-liderança.

Quando a Globo anunciou o fim da “TV Globinho”, o SBT ficou todo pomposo por ser a única emissora aberta que seguiria investindo no formato. Mas que investimento foi feito? Resgataram o Bozo e seguiram insistindo em desenhos surrados em toda a programação destinada às crianças! Pois é, tal qual as reprises de “Eu, a Patroa e as Crianças”, “Chaves”, além das novelas mexicanas.

Uma programação mofada que começa às oito da manhã, é interrompida pelo “Casos de Família” e só sai de cena para dar vaga para o “SBT Brasil” e a programação noturna.

Quanto às novelas, não há o que discutir: estão dando audiência e isso “justifica” a falta de investimentos.

Mas cadê aquele canal que vivia surpreendendo o telespectador, com estreias impactantes como a “Casa dos Artistas” e “Show do Milhão”?

A Record viveu momentos de fragilidade – ainda não está totalmente recuperada – e fizeram o que, além de apostar em “Carrossel” e, agora, em “Chiquititas”?

Esse despreparo fica evidente no caso de Bozo e sua trupe. O novo intérprete estava mostrando serviço, os demais personagens convenciam, e a audiência não vinha por quê?

Ora, o que atrai a criançada são os desenhos. Quando os pequenos tem na TV paga diversos canais infantis como Cartoon, Gloob, Nickelodeon e cia, por qual motivo vão assistir “O Máscara”, desenho que já deve ter o que, uns 15 anos ou mais? Isso só pra começo de conversa.

Fora as produções que não se renovam, casos de “Programa Raul Gil”, “Domingo Legal”, “Programa Silvio Santos”…

Será que o mercado está assim tão carente de pessoas criativas e que realmente entendam de TV, a ponto de dar um sacode e tornar o SBT novamente competitivo?

E não adianta dizer que não se importam com audiência, isso é mentira, basta analisar o comportamento do diretor de programação nas redes sociais.

Silvio Santos não apenas puxou o tapete de seus palhaços, ao que parece, está desistindo do SBT como um todo.

O problema é que, se continuar assim, pode ser superado por outra emissora.

Por sorte a Band pretende seguir com os serviços do Pastor, não fosse isso…

_______________________________________________

Endrigo Annyston é jornalista deste 2006 e escreve sobre TV desde o ano 2000, tendo passado por alguns dos mais importantes sites do segmento. No RD1 Endrigo escreverá semanalmente, ou quando lhe der na telha. Ele é também autor do blog Cena Aberta (clique aqui e visite), um dos pioneiros em blogagem no país.

_______________________________________________

Álvaro Penerotti
Álvaro Penerotti sempre foi bastante engajado a tudo que envolve o mundo da TV e Famosos. Com intensa vivência na área de jornalismo e mídias sociais, já trabalhou em rádio e também em importantes veículos de comunicação na web. Pode ser encontrado nas redes sociais através do @AlvaroPenerotti.
Veja mais ›