Áurea Maranhão
Destaque em “A Dona do Pedaço”, Áurea Maranhão fala sobre carreira em entrevista exclusiva ao RD1 (Imagem: Carlos Neto)

Guardem este nome: Áurea Maranhão. Destaque na primeira fase de “A Dona do Pedaço” como Ticiana – a descendente dos Matheus que deu fim à inimiga Dulce (Fernanda Montenegro) –, a moça vem se dedicando a diferentes projetos no teatro e no cinema. E prometendo novidades para breve… Áurea também está acompanhando a dupla Criolina em apresentações musicais; hoje (29), se apresenta em São Luís, Maranhão, fazendo performances como uma boneca de pano no Arraial do Largo Santo Antônio. Sobre sua história, o futuro e a estreia na telinha da Globo, Áurea falou à coluna “5 Perguntas Para… ” do RD1; confira!

RD1 – Você estreou na TV em grande estilo, contracenando com Fernanda Montenegro e outros talentos na primeira fase de “A Dona do Pedaço”. Como foi esta experiência?

Áurea Maranhão – A minha experiência foi maravilhosa! Primeiro porque essa personagem é incrível, muito bem escrito, estava tudo lá! Aquela personagem que você lê e dá vontade de criar… Primeiro pelo presente que o Walcyr Carrasco me deu. Segundo pela direção da Amora Mautner, que deixa o ator livre para criar, que conduz com muita maestria, sabe o que quer. Foi delicioso “trocar” com essa diretora que, pra mim, é maravilhosa! E pelo elenco… Dona Fernanda Montenegro, Álamo Facó, Luiz Carlos Vasconcelos, Fernando Eiras, César Ferrario, Maeve Jinkings, Jussara Freire…

Eu estava rodeada de atores incríveis! Atores que me ensinaram muito, que foram extremamente generosos… O Marcos Palmeira e a Juliana Paes, atores que estão na casa há muito tempo e que compartilharam a experiência deles comigo. E se jogaram muito, né, na cena. Eu me senti muito à vontade pra propor, pra jogar, pra criar.

RD1 – Nas redes sociais, o público vibrou com sua personagem, Ticiana. Sentiu essa recepção nas ruas, a visibilidade que traz a presença em uma novela das 21h?

Áurea Maranhão – Sem dúvida nenhuma ainda é o maior canal de comunicação do país. Senti muito forte o carinho das pessoas, meu número de seguidores duplicou! E as pessoas me paravam na rua, foi engraçado isso, algumas pessoas me olhando assim ‘você está jurada de morte!’! “Me ameaçando” na rua… (risos) Eu recebi muito carinho, muito carinho! Todo mundo me escreveu muito! Muitas pessoas me procuraram em todos os meus canais de redes sociais, me mandaram presentes…

Isso foi muito lindo! Recebi muitas flores, carinho, cartinhas… Uma molecada nova perguntando da minha trajetória, como eu comecei, a minha história no teatro, no cinema, na televisão… Foi muito gostoso “trocar” com o público. A gente faz pra eles. Então receber esse carinho deles significa que “chegou” muito bem, que eles gostaram do nosso trabalho – o trabalho de uma equipe imensa, que suou muito a camisa pra fazer essa novela chegar ao ar e tá aí, fazendo muito sucesso.

Áurea Maranhão
Áurea Maranhão como Ticiana, em “A Dona do Pedaço”; novela marcou estreia da atriz na TV (Imagem: Divulgação / Globo)

RD1 – Embora você tenha estreado na TV recentemente, sua carreira no cinema e no teatro foi consolidada há tempos. Quais os próximos projetos de Áurea Maranhão nestas áreas?

Áurea Maranhão – Ah, tenho muitas novidades! Vou estrear “Mergulho”, que é minha peça solo, agora no segundo semestre. E que tá demandando toda minha atenção neste momento, tô extremamente focada nela, a gente tá ensaiando “full time”. Quem tá dirigindo é a Tati Azigy, quem faz a assistência de direção é o Luciano Teixeira. A gente tá correndo com os ensaios para colocar a peça já, já aí nos grandes teatros. Eu estreio em São Luís na primeira semana de novembro; na segunda semana de novembro eu vou pra São Paulo. Aí vou tentar estrear na primeira semana de dezembro no Rio de Janeiro.

No cinema, eu tenho dois longas-metragens pra estrear. Um que chama “Terminal Praia Grande”, dirigido pela Mavi Simão. O outro é “Ana”, dirigido pelo Heitor Dhalia. E também tem os dois filmes que eu produzi, dirigi e atuei, “Chá da Tarde” e “Mala Preta”. No finalzinho do ano ficam prontos e já, já vão cair aí no circuito dos festivais. Tem outros projetos que tão vindo por aí e eu ainda não posso falar. Mas vai ter novidade nos próximos dias…

RD1 – Sobre seu lado cantora: como vê a indústria da música hoje?

Áurea Maranhão – Eu entrei na música pelo Festival BR-135, que acontece no Maranhão, promovido pela dupla Criolina, que são meus parceiros desde 2014. Eu trabalho com eles performando durante o festival; faço performances exclusivas para o festival. E também sou MC oficial do projeto. E eu comecei a cantar, e me envolver com música, muito pelo meu marido que é músico, canta, compõe…

A gente montou uma banda que chama Coletivo Gororoba. Eu fazia backing-vocal, performava, tocava… E foi assim que começou a minha trajetória na música, foi com a minha ralação com o meu marido, Ricardo, e com o Festival BR-135 e o Criolina. Aí eu nunca mais parei! Tô todos os anos nos festivais em Recife, Fortaleza, em São Paulo… Acabo acompanhando eles, representando o “135” e também fazendo shows, performando…

Sobre esse novo cenário da música, acho que tá crescendo e tá lindo demais. Porque grandes artistas nordestinos, nortistas, estão em foco neste momento. Acho que o Brasil tá ampliando esse olhar… A troca entre todas as regiões tá muito forte, muito bonita… Tem uma galera nova vindo aí, com muita força e muita vontade de fazer. Tem muita gente boa produzindo e é lindo de ver essa galera do Norte “trocando” com a galera do Sul, todas as regiões. Isso é o Brasil!

Ah, mas só deixando uma coisa clara: eu como cantora sou uma ótima atriz.

RD1 – Qual personagem você sonha em interpretar na TV, no teatro ou no cinema? E com quem deseja contracenar num próximo trabalho?

Áurea Maranhão – É difícil dizer um personagem… Acho que como ator a gente quer se desafiar e quer ser desafiado. Na televisão, adoraria fazer uma protagonista. Pra aprender mesmo, entender essa trajetória que se dá em seis, sete meses de novela, de construção de personagem. Acho que seria uma experiência deliciosa e desafiadora. No cinema, amaria ser dirigida por nomes como Laís Bodansky, Anna Muylaert, Tatá Amaral, Andrea Barata Ribeiro…. Eu acho que tem muita gente maravilhosa aí produzindo e eu amaria tá na cena aí com essas pessoas e contracenando…

Atores que vem na minha cabeça, que eu admiro, alguns como Marjorie Estiano, Sônia Braga, Juliano Cazarré, Patrícia Pillar, Wagner Moura, Júlio Andrade, Nanda Costa, Dira Paes, Alexandre Nero, Antonio Fagundes, Tony Ramos, Gloria Pires, Rodrigo Santoro… Amaria conhecer, contracenar. Mas meu desejo é mesmo ser desafiada e desafiar sempre, a cada trabalho.

 

Recomendados para Você:

COMENTÁRIOS - Interaja Você Também! ⬇

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. Esta opção de comentário NÃO publica automaticamente nada em seu Facebook, fique tranquilo!