Após desistir da candidatura, Luciano Huck detona declaração de Bolsonaro

Luciano Huck detona atitude de Jair Bolsonaro (Imagem: Reprodução – Instagram / Montagem – RD1)

Luciano Huck desistiu de se candidatar à Presidência do Brasil em 2022, mas continua se engajando em assuntos sobre política e não perdeu a chance de detonar uma atitude recente de Jair Bolsonaro (Sem Partido).

Por meio das redes sociais, nesta sexta-feira (11), ele se mostrou revoltado com a postura do presidente atual contra o uso obrigatório de máscaras de proteção durante a pandemia da Covid-19 e não poupou as críticas.

Na ocasião, Bolsonaro disse que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, deve publicar um parecer que desobriga a proteção para pessoas que já contraíram o coronavírus ou as que foram vacinadas. Mas Luciano reagiu:

“Autorizar a liberação do uso obrigatório de máscaras em locais públicos é sadismo. O negacionismo engolindo a ciência. A empatia passando longe das famílias que perderam alguém amado para a Covid-19. Só podemos discutir esse assunto quando mais de 70% da população estiver vacinada”.

Dias antes, porém, ele emitiu uma opinião como convidado de Fábio Porchat no Papo de Segunda, do GNT, e foi rebatido por Emicida, que também estava presente e detonou a burguesia brasileira na sua frente.

Luciano Huck desabafou sobre o sistema capitalista danoso e desigual, que atinge em maior parte a população negra do Brasil, já que, dos 10% de pessoas com menor rendimento per capita, 75,2% são negros.

A informação vem do relatório “Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil” do IBGE lançado em 2019, e Emicida rebateu a fala de Huck sobre o capitalismo, dizendo que foi o sistema que mais tirou pessoas da pobreza.

Foi aí que Emicida disparou:

“Tenho minhas dúvidas quando escuto Luciano falar desse convite ao 1% e da predisposição desse 1% participar da redistribuição de riqueza porque não faltaram conjunturas melhores para que esse 1% participasse da discussão e tomasse as rédeas. Inclusive não uso a palavra ‘elite’ porque significa o que uma categoria tem de melhor. Se referir a pessoas que têm dinheiro somente como a elite da categoria humana parece que a pirâmide da humanidade é definida pelo acúmulo”.

“‘Ah, mas você é um cara bem sucedido, nasceu num barraco de madeira e hoje tá confortável’. A imagem que me vem na cabeça é: você no penhasco contemplando uma imagem e alguém te empurra. Você se quebra todo, se agarra num cipó, se salva depois de tempos e com uma perna quebrada, perdeu a memória, uma série de desgraças, mas você consegue botar a mão no penhasco de novo. Aí a pessoa que tem empurrou diz: tá vendo, fiz isso para mostrar seu potencial”.

“Essa gratidão que as pessoas tentam impor para pessoas como eu, não houve um cadastro que eu assinasse e dissesse que escolhi esse sistema econômico e queria participar. Nasci dentro dele e tive que me debruçar”, disparou.

“E infelizmente, para cada Emicida que chegou até aqui, quantos vão para a vala? Sacou, mano?”, finalizou.

Confira:

Lucas Medeiros
Lucas Medeiros é formado em Comunicação Social e escreve sobre o dia a dia da TV.
Veja mais ›