William Bonner
William Bonner falou sobre dia triste (Imagem: Reprodução / Globo)

Nesta terça-feira (13), William Bonner usou o seu perfil no Twitter para fazer um desabafo. Após a trágica notícia do episódio que aconteceu na escola Rui Brasil, em Suzano (SP), o jornalista falou sobre a passagem deste triste dia.

Muita vontade de chorar muito, muitas vezes, ao longo de um dia tão triste. Não uso mais isso aqui. Mas, hoje, senti necessidade de compartilhar esse peso que também os jornalistas tivemos que suportar em nome do dever profissional. E pronto. Está dito”, escreveu Bonner.

Nos comentários, os internautas reagiram de diferentes formas. “Difícil acreditar que uma pessoa como o senhor tenha sentimento. Pois nosso presidente foi esfaqueado e o senho nunca em seu papel de jornalista demostrou solidariedade. Ser humano somos todos. Selecionar a quem sentir empatia diante da morte é um pouco hipócrita“, disparou uma seguidora. “Chorou por Brumadinho também? Espero que sim. Porque é uma tragédia atrás da outra. Mudem de postura e usem seus talentos para ajudar o Brasil e não pra colocar mais na lama”, criticou outra.

“Verdade. Ele não conseguia esconder o sentimento de tristeza e revolta. Tanto quanto Sandra Annenberg”, afirmou uma internauta. “Você e outros jornalistas fazem muita falta nas redes sociais. Não deixe as pessoas afastarem vocês de nós. Estamos com saudades. Vocês não imaginam o quanto esse contato, mesmo que pela internet é importante. Amo muito todos vocês jornalistas”, disse uma quarta.

Quem acompanhou a cobertura do “Jornal Nacional” sobre o atentado percebeu que o âncora estava visivelmente emocionado ao dar as notícias para os telespectadores.

Confira:

Tragédia em Suzano afeta grade das emissoras de TV

O massacre na escola Raul Brasil, em Suzano, Grande São Paulo, alterou a grade das emissoras. A Globo derrubou praticamente toda a programação, privilegiando as informações sobre o caso; em São Paulo, capital, César Tralli permaneceu no ar entre, aproximadamente, 11h e 17h. Já o SBT, após o “Primeiro Impacto”, manteve a grade, dedicando apenas o horário do “Fofocalizando” à cobertura da tragédia.

Na Globo, as primeiras informações foram levadas ao ar por volta de 10h15, em contato de Dony De Nuccio, do “Jornal Hoje”, com Mariana Ferrão, do “Bem Estar”. O “Encontro” de Fátima Bernardes foi suspenso, cabendo a Dony e Tralli a continuidade da programação especial. Em algumas praças, os jornais locais foram exibidos com duração reduzida. Às 12h30, Sandra Annenberg se uniu aos colegas numa edição especial do “Hoje”. Logo após, Tralli apresentou o “SP2”, das 15h20 às 17h15.

A Record destacou o caso desde as primeiras informações, mas interrompeu a cobertura, após o “Balanço Geral SP”, para veicular as reprises de “Bela, Feia” (2009) e “Essas Mulheres” (2005); logo após, Luiz Bacci com o “Cidade Alerta”. Já no SBT, que falou sobre o massacre nos minutos finais do “Primeiro Impacto”, deu um breve plantão durante o “Bom Dia & Cia”. Só voltou a abordar o caso, porém, durante o horário normal do “Fofocalizando”, com Roberto Cabrini direto de Suzano.

A Band informou seu público sobre a tragédia em um boletim do jornalismo; por volta de 14h, José Luiz Datena assumiu a programação, com uma edição especial do “Brasil Urgente”, interrompida pelo “Melhor da Tarde”, de Cátia Fonseca. A RedeTV! seguiu com programação normal até “A Tarde é Sua”, de Sônia Abrão, todo dedicado ao ocorrido na escola Raul Brasil; o canal privilegiou os horários vendidos às igrejas.

Recomendados para Você:

COMENTÁRIOS - Interaja Você Também! ⬇

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. Está opção de comentário NÃO publica automaticamente nada em seu Facebook, fique tranquilo!