Após tratamento precoce, Silas Malafaia contrai Covid-19 e surpreende com atitude

Silas Malafaia está com Covid-19 (Imagem: Reprodução / GloboNews)

O pastor Silas Malafaia voltou a causar polêmica com as suas declarações e, depois de ter se submetido a um “tratamento precoce” contra a Covid-19, cuja eficácia não foi comprovada, ele acabou contraindo a doença.

Líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, ele precisou cancelar o encontro que teria na segunda-feira (29) com o presidente Jair Bolsonaro, em Brasília, e polemizou ao defender o uso do remédio Ivermectina.

“Eu estou bem. Foi constatado que eu estou com Covid. Aqui na minha casa, dois filhos, dois genros, minha neta já tiveram e minha esposa já saiu. Então, eu não sou imune e eu atendo pessoas. Falo com muita gente”, disparou.

“Dou atendimento pastoral. Não sou pastor de palco, nem de púlpito só não. Eu atendo gente pode ser não sei. Atendo muita gente, mesmo atendendo de máscara e tudo a gente nunca sabe. Talvez nem isso, né?!”, questionou.

“Eu dou atendimento a muita gente, pessoal que vai a gabinete, desesperado e toda essa tralha toda. Mas estou bem”, afirmou. Sobre o tratamento, disse ainda: “Não cura, mas ameniza o impacto desta enfermidade”. 

Apesar disso, estudos científicos garantem que medicamentos como Ivermectina e Cloroquina não possuem eficácia contra a doença e podem gerar efeitos colaterais.

Dias atrás, Silas Malafaia defendeu o presidiário Daniel Silveira (PSL-RJ), deputado bolsonarista que foi preso por incitar violência contra ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e o pastor não gostou nada da decisão.

Em seu perfil no Twitter, ele se mostrou revoltado com a situação e, com letras maiúsculas, fez uma ameaça aos deputados da Frente Parlamentar Evangélica.

“Alerta à Frente Parlamentar Evangélica! Deputado evangélico que votar em favor dessa aberração jurídica de manter um deputado preso por suas falas, vou denunciar aos evangélicos, para nunca mais ser votado por nós”, disparou.

“O que está em jogo é o Estado Democrático de Direito. Absurdo”, completou. Nos comentários, suas palavras geraram revolta popular. “Pastor ‘evangélico’ defensor de marginal delinquente: temos!”, disparou uma internauta.

“Ele só representa o lado podre evangélico, dos fariseus”, detonou outra. “Esse tweet é o exercício da cidadania ou está ameaçando e/ou coagindo um grupo de eleitores? Esse comportamento é, no mínimo, estranho”, mais uma.

Confira:

Lucas MedeirosLucas Medeiros
Lucas Medeiros é formado em Comunicação Social e escreve sobre o dia a dia da TV.
Veja mais ›