Autor explica como definiu desfechos de Salve-se Quem Puder

Salve-se Quem Puder
Autor de Salve-se Quem Puder fala sobre desfechos da trama (Imagem: Divulgação / Globo)

O final de Salve-se Quem Puder foi cercado de mistérios na Globo. Com as gravações encerradas no final do ano passado, o autor Daniel Ortiz desenvolveu dois desfechos diferentes para os principais casais da trama. Inclusive, a versão oficial só foi definida ao longo desta semana.

Em entrevista ao colunista Zean Bravo, do Extra, ele explicou qual critério utilizou para decidir os desfechos das personagens Kyra (Vitória Strada) — dividida entre Rafael (Bruno Ferrari) e Alan (Thiago Fragoso), mas que ficou com o primeiro —, e Luna (Juliana Paiva) — que entre Téo (Felipe Simas) e Alejandro (Rodrigo Simas), também optou pelo primeiro.

Será um critério coerente com a história. E também preciso pensar se a escolha vai gerar emoção para o público”, disse. Diferente das outras duas, Alexia (Deborah Secco) só teve um final gravado com Zezinho (João Baldasserini).

Ao falar da repercussão e torcidas pelos casais, Ortiz afirmou que a internet acaba funcionando como um termômetro, mas não o único, para analisar a trama. “Fico feliz com os fandoms, o engajamento e as torcidas. E levo isso em consideração. Mas não posso achar que as redes representam todos os nossos telespectadores”.

Apesar de todas as limitações, adiamentos e ajustes, o responsável pelo sucesso se diz orgulhoso do resultado. “Essa segunda temporada foi gravada durante a pandemia. A gente produziu as novas cenas com tantas limitações… Não só de texto, mas também tivemos que seguir os protocolos de segurança. Tudo que eu tinha imaginado tive que fazer diferente. Fiquei aliviado por ter dado certo mesmo com todos esses problemas de saída de atores (José Condessa, o Juan, que teve outros compromissos profissionais; e Sabrina Petraglia, a Micaela, que engravidou antes do retorno das gravações)”, pontuou.

E seguiu: “Mas, no final, ficou bom o resultado, né? O público não percebeu essas limitações que a gente enfrentou. Foi realmente muito complicado. Praticamente joguei fora 40 capítulos e comecei do zero com cenas com poucos personagens por cenário, e quase sem os atores acima de 60 anos. Tive que substituir os idosos por outros. Foi uma correria. A gente fez tudo na raça e deu certo”.

Além disso, Daniel destacou que, nos bastidores, houve uma tensão muito grande. Prova disso é que no período em que precisou reescrever a trama ele engordou sete quilos.

“Eu já perdi quase sete. Não vou dizer que foi a novela mais difícil, mas foi muita tensão porque tive que mexer no texto. O mundo estava tenso também, estava tudo parado. Juntou a tensão da novela com a da pandemia. Então acabei descontando na comida”, confessou.

Da Redação
A Redação do RD1 é composta por especialistas quando o assunto é audiência da TV, novelas, famosos e notícias da TV.  Conta com jornalistas que são referência há mais de 10 anos na repercussão de assuntos televisivos, referenciados e reconhecidos por famosos, profissionais da área e pelo público. Apura e publica diariamente dezenas de notícias consumidas por milhões de pessoas semanalmente. Conheça a equipe.
Veja mais ›