BBB 2019
Diego Wantowsky, do BBB 2019, garante que agora está solteiro (Imagem: Reprodução / Instagram)

Diego Wantowsky foi o quarto participante anunciado do “BBB 2019”. O galã contou que tinha uma affair antes de entrar no programa, Andressa Matos, mas garantiu que agora está solteiro. Porém, um detalhe no perfil do Instagram de Andressa chamou a atenção.

Entre as fotos pessoais dela, e até algumas em viagem com o empresário, havia também fotos com Jair Bolsonaro, na época candidato, e com o filho dele, Flávio Bolsonaro. No post feito dia 23 de outubro, Matos aparece ao lado do presidente e simula uma arma com as mãos. “Meu partido é o Brasil“, legendou e completou com as tags #mito, #presidente e #forapt.

Acompanhe tudo que acontece no BBB 2019 clicando aqui

Após os internautas vasculharem o perfil da loira, os comentários de que ela teria “queimado” o affair no reality começaram a surgir. Depois disso, Andressa apagou as imagens ao lado dos políticos.

Em sua chamada de apresentação, o loiro diz não ser rico e garante estar solteiro. “Não sou rico, comecei do nada com minha loja de móveis. Não tô namorando, tô tranquilo!”, fala.

“Tem gente que reclama por muita coisinha, muita picuinha, e isso me incomoda bastante! E se a pessoa for teimar comigo, eu vou teimar com ela!”, completa o catarinense, ao dar detalhes de sua personalidade.

Confira:

Andressa Matos
Imagem: Reprodução / Instagram

BBB 2019: Confirmado no reality, ator Rodrigo é carioca e trigêmeo

A Globo confirmou mais um nome do “BBB 2019”: Rodrigo. O cientista social especializado em Direitos Humanos e Dramaturgo tem 40 anos, é trigêmeo e defende a representatividade dos negros.

Sua infância aconteceu no subúrbio do Rio de Janeiro, mas sem grandes sacrifícios. “Tenho uma lembrança boa. Não foi uma infância de luta, de passar fome. Meus pais batalharam muito para gente ter a melhor educação”, relembra.

Bolsista em escola particular, Rodrigo aprendeu inglês apenas quando era adulto e já fez Mestrado em Educação, em Wisconsin, nos Estados Unidos, onde sofreu muito preconceito. “Quando eu estudei fora, eu era praticamente o único negro. Foi bastante duro. Lá eu não tinha quem me protegesse, era um cidadão de segunda classe. Foram dois anos. Foram anos difíceis, mas tudo bem”, explica.

No final do ano passado, ele se vestiu de Papai Noel em uma ONG na Cidade de Deus. “Uma criança me disse: o senhor é mais bonito que o outro Papai Noel. Isso é importante porque é uma criança negra, se reconhecendo bonita. Principalmente na Baixada Fluminense, que tem uma grande concentração de negros e muitos não se autodeclaram. A gente conversa com essas crianças e elas começam a se autodeclarar como bonitos”, enfatiza.

 

Recomendados para Você:

COMENTÁRIOS - Interaja Você Também! ⬇

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. Esta opção de comentário NÃO publica automaticamente nada em seu Facebook, fique tranquilo!