Britney Spears está livre da tutela abusiva e não tanto dos “fãs” igualmente controladores

Britney Spears
Britney Spears está livre da tutela abusiva e não tanto dos “fãs” igualmente controladores (Imagem: Reprodução / Instagram)

Entre 2006 e 2008, Britney Spears passou por uma fase muito conturbada de sua vida, resultando numa tutela que se arrastou por 13 anos. A diva pop até conseguiu se livrar dessa curatela do pai, mas não tanto dos fãs que estão igualmente abusivos.

Resgatando a fase que deu início a isso tudo, a cantora se envolveu em atitudes irresponsáveis com o próprio filho e também no abuso de substâncias ilícitas. Não que essa observação seja uma espécie de álibi, mas o episódio de ter dirigido com o filho pequeno no colo, foi “gatilhada” por uma perseguição de paparazzi.

Quem acompanha a vida de estrelas americanas, certamente se lembra que vários deles que alcançaram o ápice do sucesso, se envolveram em coisas problemáticas. Em resumo, virou quase um fenômeno antropológico, com seres humanos que cedem à fama estrondosa, do pior conceito imaginável.

Depois de perder a guarda do filho Sean e ser submetida a um tratamento mais “agressivo”, Jamie Spears tomou conta da administração de todos os bens de Britney. Isso aconteceu em meio ao divórcio com Federline e à morte da tia por câncer, apesar do sucesso nas músicas lançadas na época e a aclamação como atriz.

A tutela de Britney Spears e os desdobramentos chocantes

Relatos da artista nas redes sociais, contam, por exemplo, que ela desejava engravidar novamente, mas era impedida pelo tutor, que a proibia de tirar seu DIU: “A tutela nunca fez sentido. Eu pago dinheiro para as pessoas para elas me controlarem. Eu trabalho desde os 17 anos e essa tutela é abusiva”.

Nesse mesmo desabafo, Britney soltou uma revelação forte: “Sinto que não posso viver uma vida completa. Eu nem sequer acredito na terapia. Eu sempre achei que pudesse falar com Deus”.

A intérprete de Toxic foi submetida a internações contra sua vontade, até mesmo com sua medicação contínua trocada por Lítio, uma substância controlada, usada no tratamento da bipolaridade. Isso fazia com que a famosa se sentisse bêbada por muitas vezes.

Toda essa tutela girou em avaliações psicológicas e psiquiátricas, gerando tratamentos nada humanizados e empáticos. 13 anos de exposição a eventos traumáticos não deixam nem o ser humano mais sensato, 100% ileso. É como um tiroteio com armas intangíveis.

Dança, nudez e a censura do próprio fã-clube

Britney Spears tem usado a sua dança como uma forma de expressão insistente, extravasando uma liberdade que lhe foi tão rara por muito tempo, controlando uma das poucas coisas que estavam disponíveis. Mas ainda sim, ainda há gente que a critique por sua “esquisitice”.

Muitos dos que levantaram a campanha #FreeBritney, têm agido justamente como o próprio Jamie, com um olhar normatizador; tentam colocar a ídola na mesma caixinha da normalidade tão ultrapassada. Vale lembrar que em 2018, a artista foi colocada numa clínica de reabilitação por se negar a fazer uma coreografia proposta por sua equipe.

Recentemente Britney apareceu totalmente nua, numa nova foto, cobrindo as partes íntimas com emojis. Novamente, internautas a atacaram de forma indireta, concluindo que ela não estava bem, não estava “normal”.

O que há de extraordinário na nudez? A falta da produção glamourosa de incontáveis celebridades que fazem o mesmo? Ou não ter um perfil no OnlyFans, que está super aceito entre celebridades como Anitta e MC Mirella, por exemplo?

Coisas muito piores e em esferas ainda mais amplas acontecem com gente igualmente famosa, mas escolheram “a estranha” como bode expiatório. Em resumo, a próxima — e atual — luta de Britney Spears é contra os tutores disfarçados de fãs.

Confira:

Gostou do conteúdo? Siga @rd1oficial no Instagram e RD1.com.br no Facebook para acompanhar as últimas notícias dos famosos.

MAIS LIDAS

Matheus Henrique Menezes
Oficialmente redator desde 2017. Experiências como editor e social media. Já escrevi sobre famosos, TV, novelas, música, reality show, política e pauta LGBTQIA+. Vídeos complementares no YouTube, no canal Benzatheus.
Veja mais ›