Caçulinha revela se ficou rico com passagem pelo Domingão do Faustão

Caçulinha
Caçulinha lembrou passagem pelo Domingão do Faustão (Imagem: Reprodução / Globo)

Longe da TV desde 2014, quando deixou o Domingão do Faustão, após 25 anos, Caçulinha lembrou a sua passagem pelo dominical. Em entrevista recente ao Domingo Espetacular, da Record, o músico garantiu que não fez fortuna durante trabalho na Globo. Nem mesmo com os direitos do jingle que criou para uma instituição financeira, grande anunciante do programa.

“Rico, eu não fiquei”, afirmou ele, que explicou que o maior montante ficou com Zé Rodrix, dono da primeira versão da música, que precisou ser editada para fazer parte da atração. “Ele fez esse jingle, mas ficou comprido. Aí, quando ele chegou com isso, eu peguei e fiz curtinho. O que interessava era a assinatura [o nome da empresa]”, contou.

Mesmo com a sua saída do Domingão, Caçulinha garantiu que não guarda mágoas de Fausto Silva. “Continuo sendo amigo deles. Me pagaram direitinho, tudo o que eu tinha direito e o que não tinha. Eu, claro, gostaria de estar lá até hoje”, confessou.

Caçulinha ainda lembrou da sua relação com Elis Regina. Ele trabalhou junto com a cantora no programa o Fino da Bossa, da Record (1965-1967). A amizade com a artista quase lhe causou a demissão do canal paulista, após exigir um aumento.

“Ela disse que se não me dessem aumento, eu ia embora. Eles ficaram furiosos. Eu disse que não era nada disso, que não ia parar. Depois que isso passou, ela sempre dava risada ao contar essa história”, lembrou.