Correspondente do SBT no Afeganistão escuta tiros durante matéria e faz alerta

SBT
Sérgio Utsch em participação ao vivo no SBT Brasil após chegar no Afeganistão (Imagem: Reprodução / SBT)

O SBT é o primeiro canal do Brasil a mandar um repórter à Cabul, capital do Afeganistão, após o controle do Talibã. O correspondente da emissora, Sérgio Utsch, apareceu ao vivo do local e deu várias informações sobre a região.

“Quando milhares de pessoas no mundo inteiro estiverem relembrando o pior ataque terrorista da história dos Estados Unidos, em 11 de setembro de 2001, os Talibãs estarão celebrando oficialmente a volta ao poder”, informou o SBT.

Utsch comentou: “As dificuldades começaram antes mesmo da viagem, na verdade, com momentos de muita tensão. Neste percurso, já ficou muito evidente como será difícil essa transição do Talibã, de milícia armada para governo. O país está um caos”.

“Ficamos cerca de uma hora retidos na sala do serviço de inteligência que o Talibã mantém na fronteira. É um procedimento de rotina, mas que nesta circunstância, naturalmente, se torna mais tenso, principalmente depois dos tiros que ouvimos do lado de fora”, contou.

“Eles estão aqui basicamente para combaterem pessoas que trazem contrabando e ladrões. Também tentam organizar o trânsito, mas isso eles não conseguiram muito, porque está uma bagunça. Eles lembram que se pegarem um ladrão, a punição de acordo com a lei islâmica, da maneira mais radical que eles interpretam, é cortar as mãos”, explicou.

No Twitter, ele manifestou em detalhes a situação do país. “A loucura de sentir-se ameaçado pelo simples fato de entrevistar uma pessoa, mas principalmente por colocá-la em uma situação de risco. Ela é uma mulher, jornalista, teve a família ameaçada pelo Talibã e está desesperada pra sair do país”, relatou.

“A loucura de ouvir do representante do governo que se cobrirmos manifestações consideradas ilegais, ou seja, contra o Talibã, poderemos apanhar, sermos presos e ter equipamento confiscado”, surpreendeu. “A loucura de estar neste país 20 anos depois daquele 11 de setembro”, desabafou.

Confira:

Esse conteúdo não pode ser exibido em seu navegador.

Paulo Carvalho
Paulo Carvalho acompanha o mundo da TV desde 2009. Radialista formado e jornalista por profissão, há cinco anos escreve para sites. Está no RD1 como repórter. Pode ser encontrado nas redes sociais no @pcsilvaTV ou pelo email [email protected].
Veja mais ›