Exclusivo: Coronavírus faz Chico Pinheiro voltar ao JN; GloboNews socorre a Globo

Globo
Chico Pinheiro volta ao Jornal Nacional em razão do coronavírus; Maria Beltrão e Marcelo Cosme, da GloboNews, serão escalados (Imagem: Reprodução / Globo)

A pandemia do coronavírus obrigará a Globo a promover novas medidas preventivas em sua programação, especificamente no jornalismo. Além de suspender o rodízio especial do Jornal Nacional, aquele com âncoras de todo o Brasil, conforme o RD1 informou nesta quarta-feira (18), a emissora também abrirá mão da presença de profissionais de São Paulo em seu principal telejornal.

Como Rio e São Paulo hoje têm transmissão comunitária, a ação visa evitar o embarque de jornalistas da Globo SP para a Cidade Maravilhosa. Desta forma, pelas próximas semanas, o JN contará só e somente com apresentadores da Globo Rio.

Além de Ana Paula Araújo (Bom Dia Brasil), Flávio Fachel (Bom Dia Rio), Mariana Gross (RJTV 1ª Edição) e Ana Luiza Guimarães (RJTV 2ª Edição), que já fazem parte do rodízio do Jornal Nacional, o telejornal de maior audiência do país passa a contar com o repórter Hélter Duarte e com o âncora do Bom Dia Brasil, Chico Pinheiro, que volta ao JN após dois anos de um episódio rumoroso envolvendo a prisão do ex-presidente Lula.

Para fechar o time de plantonistas e não precisar recorrer aos titulares William Bonner e Renata Vasconcellos, a Globo vai escalar âncoras da GloboNews: Maria Beltrão, Leilane Neubarth e Marcelo Cosme. Os três, como se sabe, são da GloboNews Rio, de onde apresentam o Estúdio i, Edição das 18h e Em Pauta, respectivamente.

Castigo por ser petista?

O episódio envolvendo a saída de Chico Pinheiro do rodízio do JN e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso à época após condenação em segunda instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, deu-se em abril de 2018, quando um áudio atribuído a Chico, em defesa de Lula e crítico à ação do então juiz Sérgio Moro – hoje ministro da Justiça e Segurança Pública – e às legendas utilizadas pela GloboNews na cobertura da prisão, vazou nas redes sociais.

Embora não tenha assumido ou negado a autenticidade do material, Pinheiro o fez a seus superiores e colegas. Dias depois, o âncora do Bom Dia Brasil foi afastado do rodízio do Jornal Nacional – na edição daquele 7 de abril, inclusive, houve quem falasse em olhos marejados do apresentador e tom de velório.

Dois dias depois da participação de Chico Pinheiro na bancada do JN, Ali Kamel, diretor de jornalismo da emissora, disparou um comunicado alertando os profissionais do canal sobre os perigos de compartilhar preferências pessoais, de qualquer ordem, em aplicativos de mensagens por texto e voz, como o WhatsApp.

João Paulo Dell Santo consome TV e a leva a sério desde que se entende por gente. Em 2009 transformou esse prazer em ofício e o exerceu em alguns sites. No RD1, já foi colunista, editor-chefe, diretor de redação e desde 2015 voltou a chefiar a equipe. Pode ser encontrado nas redes sociais através do @jpdellsanto ou pelo email jpdellsanto@rd1.com.br.

João Paulo Dell Santo consome TV e a leva a sério desde que se entende por gente. Em 2009 transformou esse prazer em ofício e o exerceu em alguns sites. No RD1, já foi colunista, editor-chefe, diretor de redação e desde 2015 voltou a chefiar a equipe. Pode ser encontrado nas redes sociais através do @jpdellsanto ou pelo email jpdellsanto@rd1.com.br.

WordPress Lightbox