Fala Que Eu Te Escuto entrevista Conrado e fala em criação da “heterofobia”

Fala Que Eu Te Escuto
Fala Que Eu Te Escuto surpreende ao falar em criação da “heterofobia” (Imagem: Reprodução/ Record)

O programa religioso Fala Que Eu Te Escuto, exibido nas madrugadas da Record, decidiu polemizar nesta quinta-feira (22). A atração recebeu o casal Andréa Sorvetão e Conrado, que causou nas redes sociais recentemente, com uma definição do relacionamento no último Dia dos Namorados.

O formato da emissora de Edir Macedo, então, apresentou o tema: “A luta contra a homofobia está gerando a heterofobia?”. O questionamento, inclusive, foi feito dias após novas gravações polêmica do ex-Fazenda, que deu a entender que sofre de “heterofobia”.

Inicialmente, eles esclareceram o vídeo do dia 12 de junho. “Estávamos pedindo patrocínio para as empresas que estavam patrocinando casais LGBTQIA+ e não criticando a conduta delas. Não aceitamos nenhum tipo de violência e preconceito”, explicou Conrado.

Andréa acrescentou que foi algo espontâneo e garantiu: “Não somos homofóbicos, tanto que temos diversos amigos homossexuais. Fizemos a publicação em formato de brincadeira e, de fato, com o objetivo de chamar atenção dessas empresas que poderiam se identificar com a nossa história. E chamou, tivemos muitos retornos positivos”.

“Eu não estou errado por ser cristão, hétero e tradicional. Não quisemos ofender ninguém. Quem nos criticou fez isso muito mais por uma ação política, porque a verdade é que a maioria entendeu o propósito do nosso. vídeo. Então, parece que a heterofobia existe sim”, finalizou o famoso.

Num dos momentos da atração, uma das convidadas surgiu e opinou: “Nos dias de hoje tudo ofende, tudo machuca. Se você destrói a família, você tira a referência do indivíduo e é o que estamos vendo hoje, então, eu acredito que exista sim a heterofobia”.

Nas redes sociais, os internautas detonaram o tema do Fala Que Eu Te Escuto. “Heterofobia é igual a racismo reverso: não existe! Ninguém te julga por ser hetero e nem por ser branco padrão, ninguém te olha feio na rua por ser um dos dois”, comentou um usuário do Twitter.

“Eu nem assisto essa merd* de canal, mas coloquei bem nessa parte da heterofobia”, disse mais um. “Vocês estão usando os termos de forma errônea. Atos homofóbicos não são apenas na presença de violência. O Conrado por exemplo usou o termo LGBTQIA+ com tom de chacota ao dizer ‘até decorei’ seguido de uma risada”, opinou um terceiro.

Luiz Fábio Almeida
Luiz Fábio Almeida é jornalista, produtor multimídia e um apaixonado pelo que acontece na televisão. É redator e colunista do RD1. Está nas redes sociais no @luizfabio_ca e também pode ser através do email [email protected]
Veja mais ›