Felipe Neto segue Anitta e toma decisão para ajudar artistas multados pelo TSE

Felipe Neto
Felipe Neto desabafa sobre decisão do TSE (Imagem: Divulgação)

Crítico ferrenho do presidente Jair Bolsonaro (PL), Felipe Neto decidiu seguir Anitta e tomou atitude contra decisão de uma ação no Tribunal Superior Eleitoral. O TSE, alegando propaganda política antecipada, definiu uma multa de R$ 50 mil àqueles que se manifestarem em shows.

publicidade

Em seu Twitter, o influenciador incentivou as pessoas a se posicionarem e ressaltou que muitos não podem lidar com a perseguição do governo Bolsonaro. O youtuber ainda reforçou que poderá ajudar aqueles que forem prejudicados pela multa do TSE.

“Artistas no Lolla, muitos não podem lidar com perseguição do governo. Caso sejam perseguidos por se posicionarem, nosso movimento Cala Boca Já Morreu se dispõe a ajudá-los com a defesa. Se alguém for condenado e precisar, eu ajudo a pagar essa multa ilegal. Enfrentem!”, disparou Felipe Neto.

publicidade

Veja Também

O Tribunal informou que “a manifestação exteriorizada pelos artistas durante a participação no evento caracteriza propaganda político-eleitoral”. Com isso, em caso de descumprimento, o Tribunal confirmou que aplicaria uma multa de R$ 50 mil.

Anitta disparou: “50 mil? Poxa… menos uma bolsa. FORA BOLSONAROOOOO. Essa lei vale fora do país? Porque meus festivais são só internacionais”.

Cabe ressaltar, porém, que a multa é imposta à organização do festival, e não aos artistas que se posicionarem politicamente. Em seu perfil no Instagram, a cantora disse que pagaria a multa de quem quisesse se manifestar.

Atitude drástica do TSE contra Pabllo Vittar

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) se pronunciou sobre a atitude de Pabllo Vittar durante a apresentação no Lollapalooza. De acordo com informações da Folha, o ministro Raul Araújo classificou o ato como propaganda eleitoral e determinou uma multa de R$ 50 mil para a organização do evento, caso aconteça outras manifestações políticas.

publicidade

Além disso, os advogados do partido solicitaram a condenação do festival por propaganda eleitoral antecipada, mas o mesmo não foi acatado.

“De uma apreciação das fotografias e vídeos colacionados aos autos, percebe-se que os artistas mencionados na inicial fazem clara propaganda eleitoral em benefício de possível candidato ao cargo de presidente da República, em detrimento de outro possível candidato, em flagrante desconformidade com o disposto na legislação eleitoral, que veda, nessa época, propaganda de cunho político-partidária em referência ao pleito que se avizinha”, disse o ministro.

publicidade

O que você achou? Siga @rd1oficial no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Luiz Fábio AlmeidaLuiz Fábio Almeida
Luiz Fábio Almeida é jornalista, produtor multimídia e um apaixonado pelo que acontece na televisão. É redator e colunista do RD1. Está nas redes sociais no @luizfabio_ca e também pode ser encontrado através do email luizfabio@rd1.com.br