Fernanda Lima se emociona ao relembrar a morte do pai pela Covid: “Não aceito”

Fernanda Lima
Fernanda Lima lembra um ano da morte do pai (Imagem: Reprodução / Instagram)

Há um ano, em 17 de julho, Fernanda Lima chorava a morte do pai, Cleomar Lima, vítima da Covid-19. Aos 84 anos, o ex-jogador de basquete se tornava mais uma vítima do vírus letal que já tirou a vida de mais de 540 mil brasileiros. Com tom de indignação e saudade, a apresentadora publicou uma homenagem ao familiar no Instagram.

Na sequência de registros, além de uma foto dele, a quem chamava carinhosamente de Carequinha, ela compartilhou cartas, fotos e bilhetes de infância trocados entre os dois.

Um ano sem a presença marcante, sem as piadas sacanas, sem a ironia, sem os gritos de alegria, sem as ligações preocupadas, sem os abraços apertados e demorados, sem os beijos babados“, iniciou, cheia de sentimento.

Em seguida, demonstrou seu inconformismo pela maneira como perdeu o pai, depois de 120 dias lutando contra a doença na UTI: “Não aceito. Mas o que se há de fazer? Lembrar e guardar as lembranças“.

Ela completou a mensagem falando sobre o peso daquelas memórias afetivas. “Achei pastas e pastas. De todos os bilhetes e cartinhas de criança e de todas as cartas trocadas já na vida adulta. Ainda não tive coragem de ler tudo… É muita memória, muito amor. Pai, um ano sem ti“, disse.

Nos comentários, a famosa recebeu apoio de famosos e anônimos que prestaram solidariedade à ela. “Certeza que lá no céu, ele comentou com Deus sobre o carinho de cada bilhetinho”, disse uma moça. “Muito triste mesmo mas essas memórias maravilhosas enchem o coração de amor”, opinou outra. “Falou tudo! Como aceitar a morte? Não tem como!“, exclamou mais uma.

Quando o ex-atleta faleceu, a esposa de Rodrigo Hilbert o homenageou com um registro dele ainda jovem durante um jogo. “Nesses quase 120 dias internado, tu provou mesmo ter fôlego de atleta. Lutou bravamente contra a Covid-19 e depois contra todas as consequências da doença. Foi cruel não poder estar ao teu lado durante o processo todo“, disse.

Fernanda também compartilhou com os seguidores um vídeo com diversos momentos do ante querido, embalado pela canção Preciso Me Encontrar, de Cartola (1908-1980). “A única vez que consegui deixar minha bebê para pegar um avião e ir te visitar, tu já não estava mais na UTI. Fiquei abraçada em ti, ouvindo essa música que tu tanto adorava“, relembrou.

Confira:

 

Elson Barbosa
Jornalista, encantado pelo entretenimento e pela possibilidade de contar e conhecer várias histórias ao mesmo tempo. Está no RD1 como repórter. Pode ser encontrado nas redes sociais no @ellsonbarbosa
Veja mais ›