GloboNews bate recorde de Moro e crava ótima audiência com manifestações

Natuza Nery
GloboNews garante altíssima audiência com repercussão das manifestações da última terça-feira, 7 (Imagem: Reprodução / GloboNews)

A GloboNews bateu o recorde de audiência registrado em 24 de abril de 2020, data da saía de Sergio Moro do Ministério da Justiça do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A média do canal foi batida graças ao seu trabalho na cobertura das manifestações da última terça-feira (7).

Segundo dados do PNT (Painel Nacional de Televisão), o canal de notícias da Globo alcançou o triplo (227%) da audiência da CNN Brasil, que fez um trabalho semelhante na cobertura dos atos antidemocráticos, mas muito menos incisivo que o canal concorrente.

A GloboNews foi líder de audiência em São Paulo e no Rio de Janeiro, as duas regiões de maior número de assinantes do país. No Conexão GloboNews, quase meio milhão de assinantes acompanharam o canal. Foi a maior audiência do horário desde janeiro de 2014.

Vale ressaltar que os números foram condizentes com o bom momento vivido pela GloboNews, que na primeira quinzena de agosto abriu ampla vantagem em cima da CNN Brasil.

Na média 24 horas do PNT (Painel Nacional de Televisão), a GloboNews foi líder com 0,40 ponto de média. Entre as faixas, o canal de notícias ficou em primeiro lugar de manhã e de tarde. À noite, o topo do ranking ficou na mão do Viva.

A CPI da Pandemia foi fundamental para o resultado. Entre os dias 16 e 19 de agosto, a maior audiência da TV foi o Estúdio i, apresentado por Maria Beltrão. Pela manhã, o Conexão GloboNews, novidade na grade, deu um gás a mais na briga pela ponta da tabela.

A jornalista, aliás, se destacou no programa depois de um puxão de orelha ao vivo no deputado Ricardo Barros, líder do governo na Câmara, que  destacou o trabalho do Palácio do Planalto na compra de vacinas.

“Ô, deputado! Essa questão de dizer que havia um problema legislativo… Se o presidente tivesse realmente a intenção de comprar Pfizer lá atrás, eu me lembro que hoje o diretor da América do Sul, aquela época diretor da Pfizer no Brasil, falou em entrevista para nós: ‘Olha, a gente já tem tudo’. ‘Mas tem problema na temperatura, só que temos como resolver’. Lá atrás, tô falando de julho do ano passado”, detonou.

MAIS LIDAS

Paulo Carvalho
Paulo Carvalho acompanha o mundo da TV desde 2009. Radialista formado e jornalista por profissão, há cinco anos escreve para sites. Está no RD1 como repórter. Pode ser encontrado nas redes sociais no @pcsilvaTV ou pelo email [email protected].
Veja mais ›