Marcelo Serrado, o Crô de Fina Estampa, celebra reprise da novela

Marcelo Serrado
Marcelo Serrado em cena com Christiane Torloni, como Crô e Tereza Cristina, de Fina Estampa (Imagem: Divulgação / Globo)

O famoso mordomo Crô, interpretado por Marcelo Serrado em Fina Estampa (2011), voltou a chamar a atenção com reprise da novela. O icônico personagem marcou a memória dos brasileiros, com seu jeito sempre fiel à requintada e cruel Tereza Cristina (Christiane Torloni).

Crô tem muitas funções dentro da mansão da vilã; dentre elas, a de cuidar dos cachorros da madame. Ele também a acompanha nos eventos da hight society carioca, nos quais a diva sempre comparece. O personagem marcou também por seu visual moderno e um tanto quanto exagerado.

O autor Aguinaldo Silva quis dar uma pitada de suspense na trama e deu para Crô um relacionamento amoroso secreto…

Marcelo Serrado comentou sobre como o papel marcou em sua vida e como recebeu a notícia de que o folhetim exibido originalmente em 2011 estava de volta à Globo. “Recebi com surpresa. Fiquei muito feliz. Nesse momento que estamos vivendo de reclusão, de tristeza também, é uma novela solar. Isso é bom para quem vai ficar em casa. Ver uma novela divertida, pra cima, alegre… A gente precisa disso“, comemorou ele.

O ator também deu sua opinião, sobre como ele acha que o público vai receber a trama após tantos anos. “Essa novela é atemporal. Tem a história do Pereirão [Lilia Cabral], uma mulher batalhadora que faz tudo para poder ajudar a família e quem está ao seu lado. É uma história de superação. E tem o Crô ali do lado que é divertido“.

O ator também comentou sobre a importância de Crô para a sua carreira. “Foi minha volta para a Globo. É um daqueles personagens que é um presente. Sou muito grato. Lembro de um carnaval em que a escola de samba São Clemente fez uma homenagem às novelas e levou para a avenida 200 ritmistas vestidos de Crô. Eu fui na frente chorando. Lembro dos memes, das pessoas vestidas de Crô no carnaval… Conheci uma senhora com câncer, Ângela, que queria me conhecer porque seu momento de alegria era o Crô“.