“O Rico e Lázaro” amarga pior estreia de faixa bíblica da Record

O Rico e Lázaro
Dudu Azevedo e Milena Toscano, como Asher e Joana, em “O Rico e Lázaro”; reprise de novela estreia em baixa (Imagem: Divulgação / Record)

A reprise de “O Rico e Lázaro” não elevou a audiência da faixa bíblica de novelas e minisséries da Record. A trama de Paula Richard, exibida originalmente em 2017, voltou à telinha nesta terça-feira (13), cobrindo a vaga de “Jezabel”; a série foi concluída antes do início das gravações da pretensa substituta, “Gênesis” – inviabilizada após desentendimentos sobre a sinopse.

O primeiro capítulo de “O Rico e Lázaro” registrou apenas 7 pontos, o pior desempenho do horário, que havia exibido apenas inéditas até então.

Ficou abaixo dos 9,9 de “Lia” (2018), 11 de “Jezabel” (2019), 12 de “Os Dez Mandamentos” (2015), 13 de “Apocalipse” (2017) e “Jesus” (2018), 15 da exibição original de “O Rico e Lázaro”, 18 de “A Terra Prometida” (2016) e 19 de “Os Dez Mandamentos – 2ª temporada” (2016).

Também perdeu para a reestreia de “A Terra Prometida”, ano passado, às 19h45, mas superou o início do repeteco de “Os Dez Mandamentos”, em 2017, às 18h30. “Terra” fechou com 9,9 pontos, enquanto “Rico” bateu 7 e “Mandamentos” rendeu apenas 6,5 de média.

Cabe destacar, porém, que “O Rico e Lázaro” substituiu a produção de menor audiência na faixa até hoje. Na média-geral, “Jezabel” acumulou 7,4, estando atrás dos 8,1 de “Apocalipse”, 9,3 de “Lia”, 9,9 de “Jesus”, 10,1 da própria “O Rico e Lázaro”, 14,5 de “A Terra Prometida”, 15,7 de “Os Dez Mandamentos – 2ª temporada” e 16,4 de “Os Dez Mandamentos”.

Duh Secco é “telemaníaco” desde criancinha. Em 2014, criou o blog “Vivo no Viva”, repercutindo novelas e demais atrações do Canal Viva. Foi contratado pela Globosat no ano seguinte. Integra o time do RD1 desde 2016, nas funções de repórter e colunista. Também está nas redes sociais e no YouTube (@DuhSecco), sempre reverenciando a história da TV e comentando as produções atuais.

WordPress Lightbox