Advogada diz que a Record deve ser responsabilizada por caso envolvendo Nego do Borel

Nego do Borel
Nego do Borel foi expulso após atitude suspeita com peoa (Imagem: Reprodução / Playplus)

Investigado pela Polícia Civil de São Paulo por estupro de vulnerável, Nego do Borel não deve ser o único responsabilizado pelo que fez durante o breve confinamento no reality A Fazenda 2021. Em entrevista ao Universa, do UOL, a advogada Luanda Pires afirmou que a Record também precisa responder por não ter impedido o suposto crime contra a modelo Dayane Mello:

Saiba tudo sobre A Fazenda na cobertura do RD1

“O programa tem vigilância constante, e o que aconteceu ali foi um estupro. A Record pode e deve ser responsabilizada, porque não interveio. A lei prevê que quem que permite que o estupro aconteça também incorre no crime”.

Pelas cenas que eu vi, ainda que com alguns cortes, existiu, sim, o crime de estupro. Primeiro, porque Dayane entra no quarto cambaleando, amparada por outras duas mulheres, o que já indica que ela não estava em condições de consentir ou não a prática sexual. Segundo porque, por algumas vezes, de forma clara, ela pediu que Nego do Borel parasse. Existem cenas em que ela está desacordada, e ele a apalpa. Tudo isso qualifica o crime de estupro de vulnerável, está muito claro“, completou.

Para a advogada, secretária da Comissão de Diversidade Sexual de Gênero da OAB-SP, a emissora teria que ter retirado Nego do quarto na hora que Dayane pediu que ele parasse e ele não a respeitou.

À publicação, Luanda revelou que é comum que mulheres vítimas de violência sexual sejam responsabilizadas, seja pela agressão sofrida ou pela quantidade de ingestão de álcool:

“Isso acontece em razão do machismo e da objetificação do corpo da mulher —que a sociedade impõe que pertence ao homem e que serve apenas para satisfazê-lo. Quando casos assim chegam ao judiciário, a gente vê absurdos que juízes cometem —e juízas também, infelizmente—, culpabilizando a vítima, usando fatores como as vestimentas ou a ingestão de drogas para ferir a moral das mulheres”.

Existem decisões favoráveis, mas são poucas e conquistadas com muita articulação da equipe jurídica e sofrimento da vítima e de suas famílias. Isso faz com que muitas desistam no meio do processo e não cheguem aos tribunais“, completou.

Para quem não acompanhou, Nego do Borel foi acusado de levar Dayane Mello para a cama enquanto ela estava inconsciente, após a segunda festa do reality, que ocorreu na madrugada de hoje. A atitude fez com que a equipe da peoa decidisse tomar providências.

Os advogados de Dayane chegaram a ir até a sede do programa em Itapecerica da Serra (SP) com a polícia, por volta das 15h. A Secretaria de Segurança Pública se pronunciou e foi informado que o cantor está sendo investigado por estupro de vulnerável.

A polícia e a equipe jurídica estão na porta da sede de A Fazenda neste exato momento, tentando contato imediato para que o jurídico e as autoridades possam a dar andamento nos trâmites legais do caso. Infelizmente a produção está dificultando o contato e averiguação dos fatos”, disse a equipe da peoa.

O comunicado ainda destacou: “A Record continua dificultando o acesso das autoridades e da equipe jurídica, mesmo com a apresentação da documentação necessária e boletim de ocorrência”.

Na ocasião, a Record limitou-se a dizer que apenas pediu para a polícia e os advogados esperassem 30 minutos para que o jurídico da Record chegasse ao local.

No momento do ato, Nego do Borel se deitou na cama com ela, fazendo toques suspeitos e movimentações estranhas no edredom. Imediatamente, os internautas levantaram a tag “Estupro na Fazenda”.

MAIS LIDAS

Da Redação
A Redação do RD1 é composta por especialistas quando o assunto é audiência da TV, novelas, famosos e notícias da TV.  Conta com jornalistas que são referência há mais de 10 anos na repercussão de assuntos televisivos, referenciados e reconhecidos por famosos, profissionais da área e pelo público. Apura e publica diariamente dezenas de notícias consumidas por milhões de pessoas semanalmente. Conheça a equipe.
Veja mais ›