Alexandre Garcia alfineta a CNN após saída; âncora entrega “mentira” da Globo

Alexandre Garcia
Alexandre Garcia ataca CNN e recorda saída da Globo (Imagem: Reprodução / CNN Brasil)

Alexandre Garcia falou sobre sua saída da CNN Brasil e, para espanto de todos, fez uma revelação a respeito da sua dispensa da Globo. Ele foi demitido e não pediu demissão como todos imaginavam.

Na época da sua saída da Globo, no final de 2018, Ali Kamel, diretor de jornalismo da emissora, fez um longo comunicado sobre uma decisão tomada em comum acordo. Com palavras amenas, Garcia desmentiu a informação.

“Eu não saí da Globo, a Globo é que quis que eu saísse”, entregou em entrevista ao Direto ao Ponto, do Jovem Pan. “Mas eu saí na hora certa”, pontuou. Alexandre Garcia evitou qualquer tipo de comentário a respeito do trabalho jornalístico da Globo na cobertura das ações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Contudo, Alexandre Garcia rasgou elogios para os executivos que passaram por lá, “dos tempos de Roberto Marinho”, como José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, ex-vice-presidente de Operações da Globo, e Alice Maria, nome forte do Jornalismo da Globo até 2014.

Sobre o fim do acordo com a CNN Brasil, Alexandre Garcia cutucou o canal de notícias e disse que não entendia o fato de não poder ter sua “opinião” dentro de um quadro chamado Liberdade de Opinião.

“Eu achei irônico, desafiador um programa com o nome Liberdade de Opinião que não aceita a liberdade de opinião. Eu falei porque vejo resultados desse tratamento todos os dias”, expôs.

Demitido

Alexandre Garcia foi demitido da CNN Brasil horas depois de ter defendido o tratamento precoce contra a Covid-19 com remédios sem eficácia comprovada.

“Os tais remédios sem eficácia comprovada salvaram milhares de vidas sendo aplicados imediatamente, mesmo antes do resultado do teste. É na fase 1, na fase 2 às vezes evitam hospitalizações”, disparou no CNN Novo Dia.

No mesmo comentário, ele indiretamente saiu em defesa da operadora Prevent Senior, alvo de investigação após a descoberta de mortes suspeitas no início da pandemia. Âncora do telejornal, Elisa Veeck falou em nome do canal de notícias desmentindo as informações dadas pelo então colega de emissora:

“Reitero sempre para vocês que nos acompanham que as opiniões emitidas pelos comentaristas do quadro não refletem necessariamente a posição da CNN. E mais um acréscimo aqui neste fim do quadro de hoje, a CNN ressalta que não existe um tratamento precoce comprovado cientificamente para prevenir a covid-19. O que a ciência mostra é que a prevenção, com o uso de máscaras e a vacinação, são as únicas maneiras de combater a pandemia”.

MAIS LIDAS

Paulo Carvalho
Paulo Carvalho acompanha o mundo da TV desde 2009. Radialista formado e jornalista por profissão, há cinco anos escreve para sites. Está no RD1 como repórter. Pode ser encontrado nas redes sociais no @pcsilvaTV ou pelo email [email protected].
Veja mais ›