Após filho, pai de Fernando Rocha está com coronavírus

Fernando Rocha
Fernando Rocha desabafou sobre pai e filho testarem positivo para o Covid-19 (Imagem: Reprodução/ Instagram)

Fernando Rocha decidiu usar o seu Instagram para desabafar sobre o atual momento que sua família e o mundo enfrentam com a pandemia do novo coronavírus. Depois de revelar que o seu filho, Pedro Rocha, de 28 anos, testou positivo para o Covid-19, o jornalista abriu o jogo sobre seu pai, Dalai Rocha, de 82 anos.

“Números, porcentagens e estatísticas parecem não fazer o menor sentido quando o coronavírus bate na porta de casa. Primeiro meu pai de 82 anos, Dalai Rocha, depois meu filho, Pedro Rocha, de 28. A sensação imediata é de desamparo. Olhava o noticiário que rodava em ritmo frenético as atualizações de casos confirmados. Dois números ali naquele oceano de informações, que vão fazer parte de dados mundiais têm o meu sobrenome“, declarou ele.

O ex-apresentador do Bem Estar, da Globo, revelou que os dois estão isolados do contato com outras pessoas e que ele também está sofrendo com a saudade.

“Seguido do susto vem uma outra de onda de dúvida e ansiedade: a limitação da distância. Eu aqui em São Paulo e os dois em Belo Horizonte, Minas Gerais. Telefonemas, vídeos, intensidade de contatos virtuais e afagos pra saber a evolução dos sintomas. Eles seguem firmes e sem febre. Meu coração bate com eles e também por causa deles. Eles vão ficar bem”, afirmou, cheio de otimismo.

Ao final, Fernando Rocha fez um pedido aos fãs: “Quando o inimigo entra na nossa casa a gente tem noção do tamanho dessa guerra. Quando nossa família entra para estatística a gente tem que entrar na luta. E uma das armas mais poderosas nessa batalha é a informação Não tenha dúvida, tenha certeza: É preciso ficar em casa“.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Números, porcentagens e estatísticas parecem não fazer o menor sentido quando o coronavírus bate na porta de casa. . Primeiro meu pai de 82 anos, Dalai Rocha, depois meu filho, Pedro Rocha, de 28. . A sensação imediata é de desamparo. Olhava o noticiário que rodava em ritmo frenético as atualizações de casos confirmados. Dois números ali naquele oceano de informações, que vão fazer parte de dados mundiais têm o meu sobrenome. . Dois números eu entendo, eu conheço, eu percebo. Dois números que literalmente fazem parte de mim. . Estão misturados em uma contagem que não para de crescer. Eu não consigo olhar para essas informações sem enxergar uma parte do meu coração. . Seguido do susto vem uma outra de onda de dúvida e ansiedade: a limitação da distância. Eu aqui em São Paulo e os dois em Belo Horizonte, Minas Gerais. Telefonemas, vídeos, intensidade de contatos virtuais e afagos pra saber a evolução dos sintomas. . Eles seguem firmes e sem febre. Meu coração bate com eles e também por causa deles. Eles vão ficar bem. . Quando o inimigo entra na nossa casa a gente tem noção do tamanho dessa guerra. Quando nossa família entra para estatística a gente tem que entrar na luta. E uma das armas mais poderosas nessa batalha é a informação Não tenha dúvida, tenha certeza: . É preciso ficar em casa.

Uma publicação compartilhada por Fernando Rocha (@fernandorocha) em

Fábio Almeida é jornalista, produtor multimídia e um apaixonado pelo que acontece na televisão. É redator e responsável pela coluna “Do Fundo do Baú”, publicada às quintas-feiras no RD1, com conteúdos marcantes da história da TV brasileira. Está nas redes sociais no @luizfabio_ca e também pode ser através do email luizfabio@rd1audiencia.com

WordPress Lightbox