Biografia revela que Elize Matsunaga ficou com fortuna do falecido; saiba quanto!

Elize-Matsunaga deu a volta por cima (Imagem: Reprodução / Netflix)

A Netflix lançou nesta semana um documentário sobre Elize Matsunaga, que matou o herdeiro da empresa Yoki, Marcos Matsunaga, mas engana-se quem pensa que ela ficou na pior após o crime que parou o Brasil.

Segundo informações do UOL, a biografia não autorizada “Elize Matsunaga: a Mulher que Esquartejou o Marido”, de Ullisses Campbell, que tem previsão de lançamento para agosto, pela editora Matrix, trará novas informações sobre ela.

A primeira delas é que há laudos de três psicólogos e um psiquiatra credenciados pela Justiça comprovando que ela é psicopata e que o amor que diz ter pela sua filha é uma estratégia para comover a opinião pública.

Além disso, ela ainda herdou R$ 900 mil do marido falecido. Atualmente, Elize está com 39 anos e cumpre pena na penitenciária de Tremembé, no interior de São Paulo, onde se relaciona com um homem trans de 23 anos.

Ele foi condenado a cinco por tentar matar o avô e que cumpre pena na ala feminina porque corre risco de agressões na masculina.

Em entrevista à publicação, o autor disse que Elize Matsunaga não causa tanta repulsa na prisão pelo fato de não ter matado os pais nem uma criança, e sim o marido que a traía, alimentando a simpatia das demais mulheres.

O documentário mostra que ela chegou a receber uma salva de palmas em sua primeira saidinha, em 2019, e nas redes sociais, o crime acabou virando meme, já que o falecido marido não demonstrava ser uma pessoa diferente dela.

Ullisses Campbell revelou: “Aos 18 anos, se mudou para Curitiba, onde tem uma ‘mentora’ que a introduz no mundo da prostituição de luxo. Entrevistei essa mulher, que hoje é dona de um posto de gasolina”. E detalhou:

“Ela me contou que Elize se apaixonava pelos clientes, tinha uma carência muito grande, e achava que encontraria o amor da sua vida. Ela lhe dava conselhos: não se apaixone por cliente, ele vai dizer que te ama, mas sempre vai te ver como prostituta”.

Provando o contrário, ela se casou com Marcos e passou a ter uma vida de luxo, mas continuava sendo tratada como prostituta, sem poder se recusar o sexo. Ao engravidar, passou a dizer não e ele começou a sair com outras prostitutas.

“Marcos também era portador de uma síndrome chamada timidez amorosa, que causa ansiedade crônica e excesso de acanhamento na hora de se aproximar de alguém. Isso mais o impulso sexual o levava ao vício na prostituição”, explicou.

“Ele começa a ofendê-la mais. Diz que nenhum juiz daria a guarda de uma criança para uma prostituta, que ela ainda era uma e que o casamento é um programa sem fim. Ela vai se desequilibrando psicologicamente, pega a arma e atira nele”, revelou o autor.

“E mesmo tendo assassinado o marido, não saiu do casamento de mãos abanando. Ainda ficou com R$ 900 mil de uma adega milionária que os dois tinham”, disse ainda.

O valor foi parte de um bem que estava no nome de Eliza e Marcos Matsunaga, com quem ela era casada em regime de comunhão de bens. Atualmente, a filha do casal está com dez anos e mora com os avós paternos, mas é alvo da mãe:

“Ela descobriu aos sete que a mãe tinha matado o pai porque um coleguinha contou na escola. Começou a fazer terapia e soube tudo que tinha acontecido […] Se ela matou ele por dinheiro, a criança, que herdou tudo, passa a ser um alvo também”.

Sobre a tentativa de aproximação, ele revelou:  “As análises dizem que a mulher psicopata se aproxima das crianças para chamar atenção dos adultos. O que concluí depois das pesquisas que Elize viu sua vida vazia depois do crime, então, para manter uma narrativa, vive em função de reencontrar a filha”, disse ainda.

As análises psicológicas também mostram que Elize Matsunaga não se arrepende por ter dado um tiro na cabeça de Marcos:

“Ela manteve-se calma, enviou e-mails se passando pela vítima, consolou os pais dele, foi ao shopping fazer compras […] Ela esquartejou o marido usando a mesma técnica que aplicava nos animais que eles abatiam nas caças”.

O advogado de defesa de Elize Matsunaga, Luciano Santoro, negou as informações contidas no livro, dizendo: “Elize foi deserdada e não recebeu absolutamente nada de Marcos Matsunaga”.

Negou também que ela matou o marido por dinheiro e o relacionamento com o rapaz transexual, dizendo: “Não haveria qualquer problema se fosse verdadeiro o fato, mas não é”.

Por fim, negou sua psicopatia segundo os laudos oficiais, explicando que os laudos apresentados foram pagos pela família da vítima: “Há laudos oficiais (judiciais) que atestam o contrário (e reafirmo aqui que Elize não é psicopata)”.

Confira o trailer:

Da Redação
A Redação do RD1 é composta por especialistas quando o assunto é audiência da TV, novelas, famosos e notícias da TV.  Conta com jornalistas que são referência há mais de 10 anos na repercussão de assuntos televisivos, referenciados e reconhecidos por famosos, profissionais da área e pelo público. Apura e publica diariamente dezenas de notícias consumidas por milhões de pessoas semanalmente. Conheça a equipe.
Veja mais ›