Cachê de Gusttavo Lima chega a R$ 1,2 milhão e Marília Mendonça muda valor

Gusttavo Lima
Gusttavo Lima e Marília Mendonça cobram valores surpreendentes para apresentações (Imagem: Reprodução – Instagram / Montagem – RD1)

O retorno dos shows em diversos lugares do Brasil contou com a mudança nos cachês de alguns artistas, o que tem preocupado contratantes, empresários e músicos. Segundo informações do jornal Extra, os artistas sertanejos têm cobrado valores surpreendentes.

Gusttavo Lima, por exemplo, tem o show mais caro no momento. De acordo com a publicação, o cantor cobrou R$ 1,2 milhão para se apresentar em um rodeio no interior de São Paulo recentemente.

Ele, inclusive, chegou a revelar que negociou com um fundo de investimentos a compra de 200 apresentações em 2022 por quase R$ 100 milhões. Uma produtora do Nordeste opinou sobre a situação à publicação:

“Gusttavo tem hoje o maior cachê do Brasil. Mas ele entrega, cumpre o que promete, lota os shows e vende ingresso para um público muito fiel. Só que isso inflacionou o mercado todo, pois tem cantor aí que acha que pode cobrar o mesmo ou perto do que ele cobra sem ter a mesma performance. Para quem intermedia a venda desses nomes pelo país, ficou complicado”.

Além do artista, quem também fez alteração no cachê foi Marília Mendonça. A rainha da sofrência, que antes cobrava R$ 250 mil, não sobe ao palco por menos de R$ 500 mil após a pandemia. E ela não é a única. Uma fonte do jornal brincou: “Maiara e Maraisa também reajustaram seus preços, obedecendo essa nova ‘tabela’”.

Mas os valores altos não estão apenas com os artistas sertanejos. João Gomes, que estourou no país com o famoso “piseiro”, já conta com a agenda de 2022 lotada e, com apenas 19 anos, tem cobrado entre R$ 200 mil a R$ 400 mil em uma apresentação. O mesmo preço é válido para quem quiser uma performance de Ivete Sangalo.

O jornal revelou ainda que a dupla Chitãozinho e Xororó pede a quantia de R$ 500 mil, enquanto Bruno e Marrone exigem um cachê em torno de R$ 270 mil. Já quem quiser o eletrônico de Alok, precisa desembolsar algo em torno de R$ 450 mil.

“Existe uma demanda reprimida, lógico. As pessoas estão loucas para ir a um show, a uma festa… Só que, com os valores praticados no momento, há certo temor de não haver vazão, porque, infelizmente, nossos custos vão ser repassados para o consumidor, que terá que pagar por ingressos mais altos“, justificou um empresário.

MAIS LIDAS

Da Redação
A Redação do RD1 é composta por especialistas quando o assunto é audiência da TV, novelas, famosos e notícias da TV.  Conta com jornalistas que são referência há mais de 10 anos na repercussão de assuntos televisivos, referenciados e reconhecidos por famosos, profissionais da área e pelo público. Apura e publica diariamente dezenas de notícias consumidas por milhões de pessoas semanalmente. Conheça a equipe.
Veja mais ›