CNN Brasil vira alvo de bolsonaristas após dar espaço a líderes da esquerda

CNN Brasil
Opinião da oposição despertou a ira dos telespectadores que esperavam da CNN Brasil um canal de direita (Imagem: Reprodução / CNN Brasil)

No dia 9 de março, durante a festa de lançamento da CNN Brasil em São Paulo, Douglas Tavolaro, CEO da emissora, reforçou o compromisso de se fazer um jornalismo apartidário, “nem de direita e nem de esquerda”. Mas o fato é que o canal de notícias ainda precisa se livrar da desconfiança do público.

Além de ser presidida pelo ex-vice-presidente de Jornalismo da Record e biógrafo de Edir Macedo, a emissora vem despertando a simpatia de Jair Bolsonaro desde sua implementação no Brasil. O presidente chegou a dizer que “espera que CNN Brasil seja diferente da Globo”. Já grupos de direita frequentemente apontam o canal recém-lançado como a nova Fox News, rede considerada braço-direito de Donald Trump nos Estados Unidos.

Neste sábado (21), o Jornal da CNN ouviu líderes da oposição para avaliar as ações do presidente diante da pandemia do novo coronavírus e também para dizer quais seriam as suas medidas caso tivessem sido eleitos presidente da República. Para Ciro Gomes (PDT), Guilherme Boulos (PSOL) e Manuela D’Ávila (PCdoB), o governo subestimou a gravidade do vírus.

“A partir do momento que se propagou na Europa, era evidente que isso chegaria ao mundo todo. A OMS (Organização Mundial da Saúde) alertou. A partir desse momento, o Brasil precisaria começar a tomar medidas”, opinou Boulos.

Ciro Gomes afirmou que o isolamento social deveria ter sido feito em meados de fevereiro, porém que essa era uma decisão difícil de se tomar. Já a vice de Fernando Haddad (PT) na última eleição apontou que, embora o vírus atinja pobres e ricos, os vulneráveis sofrerão mais diante do agravamento da crise econômica.

As opiniões dos três líderes foram mostradas em pouco mais de um minuto, o que foi suficiente para uma enxurrada de reclamações vindas de eleitores de Bolsonaro nas redes sociais. Numa postagem reagida por mais de 6,2 mil pessoas, um internauta afirmou que a emissora “está de sacanagem” por chamar “três desqualificados para falar sobre o tema”.

“Eu também custei acreditar no que eu estava vendo. Eu que fiquei tão ansiosa pela estreia da CNN Brasil, não trocava de canal, agora voltei para a Netflix”, comentou mais um usuário.

Outros apoiadores do governo disseram que o Bolsonaro deveria só dar entrevistas para o SBT e a Record, as mídias consideradas imparciais por eles, ou se limitar apenas às suas redes sociais. “Nós divulgamos para ele”, prometeu um deles.

Veja:

Daniel Ribeiro cobre televisão desde 2010. No RD1, ao longo de três passagens, já foi repórter e colunista. Especializado em fotografia, retorna ao site para assinar uma coluna que virou referência enquanto esteve à frente, a Curto-Circuito. Pode ser encontrado no Twitter através do @danielmiede ou no danielribeiro@rd1.com.br.

WordPress Lightbox