Craque Neto critica Bolsonaro e agressões a jornalistas e no jogo do Grêmio

Neto
Neto soltou o verbo contra Bolsonaro ao falar de confusão em jogo do Grêmio (Imagem: Reprodução / Band)

O craque Neto não conseguiu segurar e mostrou toda a sua irritação com situações que ocorreram neste domingo (31). No programa Os Donos da Bola, da Band, desta segunda-feira (01), o apresentador soltou o verbo contra as agressões que ocorreram no jogo do Grêmio e também falou do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Logo no começo da atração esportiva, o ex-jogador citou as agressões de seguranças do político contra à imprensa em Roma, na Itália. “Um absurdo o que está acontecendo nesse país. Jornalista apanhando, mostrando uma vergonha nossa lá fora com o presidente da República, seu Jair Bolsonaro, diga-se de passagem… E aí vem no jogo do Grêmio”, iniciou ele.

“Aquilo lá não é torcedor. Se eu fosse presidente do Grêmio eu processaria todas as pessoas que entraram, porque se o Grêmio cair vocês foram responsáveis. Toda a incompetência do time”, disparou o famoso, aos gritos.

O contratado da Band seguiu discursando sobre o que ocorreu no jogo de ontem. “A torcida vem, quebra o VAR, quebra tudo, bate no segurança… cambada de vagabundo, safado, filho de uma rapariga… bater no segurança, pai de família que está ganhando R$ 70. Eu sou apaixonado pelo Grêmio, mas ele tem que ser punido, não pode ter torcida”, declarou.

“Depois de dois anos [de pandemia], por tudo o que estamos passando, fazer uma barbaridade dessas? Tudo babaca, idiota”, destacou ainda o ex-jogador do Corinthians.

Durante o seu desabafo, Neto ainda voltou a falar sobre a imagem do Brasil em outros países, criticou Bolsonaro e também falou do aumento dos preços do combustível e das carnes.

“Quando você pega uma imagem dessas, já pega a imagem do Brasil na Itália, fazendo uma barbaridade… bater no Jamil [Chade], um baita de um jornalista, um correspondente maravilhoso? [Bolsonaro] fazendo com que as pessoas possam ter ódio por causa de política? Eu não estou nem aí, vocês votam em quem quiser“, disse.

Ele ainda comentou: “Vai no posto de combustível… Vai comprar carne… Você não compra nem acém. Vocês acham que está tudo legal”.

“Esse país é uma vergonha. Essa raça humana tinha que matar toda, mandar todo mundo para o inferno e voltar outra raça. […] E se você é Bolsonaro, PT, Ciro, Boulos… Eu gosto do Boulos… Não importa, não é um partido político, é a nossa imagem“, declarou.

Neto também desabafou: “Tem dois anos que tem gente morrendo. 600 mil pessoas morreram por causa da Covid-19. Você acha que o futebol é mais importante que é a vida? E quando a gente volta para o futebol… A CBF, que é uma vergonha de instituição, deveria punir o Grêmio com 10 jogos sem jogar sem torcida“. Ele completou: “Como pode um país dar certo?”.

Pandemia e Paulo Gustavo

Ainda falando sobre a situação que ocorreu ontem, o apresentador criticou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e o presidente por falas sobre a pandemia no Brasil.

“Se o Ministro da Saúde e Bolsonaro tiram sarro de 600 mil pessoas que morreram, das famílias que já foram embora… Eu quase morri de Covid e tenho medo da Covid até hoje. Eles contam mentira, mentem para o povo. Faz muito tempo que não falo de política aqui, mas com a situação de ontem não dá para ficar quieto”, afirmou.

Ele completou: “‘Nós fomos muito bem em relação à pandemia’. Foi nada, vocês não quiseram comprar vacina, as pessoas poderiam estar vivas. O Paulo Gustavo poderia estar vivo e todas as outras pessoas também. Aí eles vêm contar essa mentira na televisão achando que a gente tem cara de besta. Nós não temos cara de besta. Você tem que tomar a primeira e a segunda dose [da vacina]”.

MAIS LIDAS

Luiz Fábio Almeida
Luiz Fábio Almeida é jornalista, produtor multimídia e um apaixonado pelo que acontece na televisão. É redator e colunista do RD1. Está nas redes sociais no @luizfabio_ca e também pode ser encontrado através do email [email protected]
Veja mais ›