Datena chama a polícia ao vivo após repórter ser barrado em hospital

Datena
Datena solta o verbo ao ver equipe de reportagem sendo barrada em hospital (Imagem: Reprodução / Band)

José Luiz Datena ficou furioso ao ver que uma equipe do Brasil Urgente, da Band, foi impedida de entrar no Hospital do Tatuapé. No último sábado (13), então, o apresentador soltou o verbo ao vivo.

No noticiário, o jornalista se mostrou irritado com os seguranças do hospital administrado pela prefeitura de São Paulo, que se posicionaram quando o repórter, Marcelo Moreira, e o operador de câmera começaram a se aproximar da entrada da unidade hospitalar.

Datena detonou a atitude dos seguranças para impedir que o jornalista mostrasse a situação dentro do hospital. O apresentador, então, chamou a polícia e em seguida se posicionou sobre o assunto.

“Eu agradeço a Polícia Militar que foi lá pra, pelo menos, tentar garantir o nosso direito de liberdade de expressão (imprensa) de só mostrar a fachada do hospital, pra ver se tem ambulância do lado de dentro, porque fora do hospital do Tatuapé tem fila de ambulâncias”, afirmou o jornalista.

“Geralmente nessas ambulâncias têm pessoas esperando atendimento ou para serem transferidas para outro hospital porque o Tatuapé está lotado”, disse o apresentador da Band.

Datena ainda disparou: “Aí, de repente, apareceu uma barreira com oito seguranças. [Prefeito] Bruno Covas, contrata médicos e enfermeiros para render esses caras que não aguentam mais”.

“Os heróis, que são os enfermeiros, os médicos e o pessoal hospitalar, estão precisando descansar enquanto vocês enchem de segurança para não mostrar o que vocês estão fazendo de errado, segurança que pulou muro para tentar bater no repórter, ir pra cima do repórter. Me ajuda aí!”, desabafou.

Em seguida, o comunicador disparou poucas e boas contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e pediu vacinação mais rápida.

“Presidente, pelo amor de Deus, vacina. O Brasil demorou muito com vacina. Precisamos de vacina, porque se a gente não tiver vacina, e parece que não vai ter, nós vamos atingir a imunidade de rebanho que se consegue com vacina. Como não tem vacina, vai morrer gente pra caramba para conseguir a imunidade de rebanho. Presidente, chega para esse Paulo Guedes e diga que estamos precisando de dinheiro para comprar vacina”, destacou ele.

O apresentador completou: “Enquanto não tem vacina, o povo precisa de comida, pois senão não fica dentro de casa. O povo que não tem grana morre de fome. Esse auxílio miserável. Ninguém vai ficar preso dentro de casa sem comer”.

Fábio AlmeidaFábio Almeida
Fábio Almeida é jornalista, produtor multimídia e um apaixonado pelo que acontece na televisão. É redator e responsável pela coluna "Do Fundo do Baú", publicada às quintas-feiras no RD1, com conteúdos marcantes da história da TV brasileira. Está nas redes sociais no @luizfabio_ca e também pode ser através do email luizfabio@rd1audiencia.com
Veja mais ›