Eduardo Bolsonaro acusa Wagner Moura de comer camarão no MTST e passa vergonha

eduardo bolsonaro wagner moura
Eduardo Bolsonaro ataca Wagner Moura (Imagens: Reprodução – Twitter / Montagem – RD1)

Wagner Moura, 45 anos, continua incomodando Jair Bolsonaro (sem partido) e os seus. Prova disso é que o filho do presidente, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) se mostrou irado com uma imagem do ator comendo.

Na ocasião, o deputado federal reagiu a uma foto na qual Wagner almoçava em uma ocupação do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), em São Paulo, após a exibição do filme Marighella, dirigido por ele.

Em forma de deboche, Eduardo compartilhou a publicação, feita inicialmente por Guilherme Boulos, e disparou:

Ou será que já é o comunismo purinho, onde a elite do partido come camarão e o restante se vira e passa fome igual à exemplar Venezuela?”.

Nas respostas dos internautas, no entanto, ele acabou passando vergonha, já que o que estava na refeição era acarajé, prato típico e de baixo custo baiano. Além disso, os pratos do dia foram doações do restaurante Acarajazz.

O próprio perfil da empresa declarou:

Noite linda. É uma honra, né? Nosso acarajé feito para prestigiar o povo dessa ocupação maravilhosa e dois baianos icônicos e necessários em nossa cultura: Wagner Moura e Marighella. Comida símbolo de resistência da terra desses dois baianos que inspiram nossas lutas”.

Eles ainda fizeram questão de rebater a acusação de Eduardo Bolsonaro, dizendo: Doamos uma remessa de forma voluntária. Essa não foi a primeira vez que levamos acarajé para um ocupação, nem será a última”.

Calafrios eu senti ao ver a nossa comida associada a esse cara. Já havia levado uma vez acarajé para as ocupações e só recebi amor. Aí vem esse sujeito para tentar contaminar. Mas enfim, nem todo ódio e preconceito vai manchar um momento tão lindo como aquela noite”, disseram ainda.

Wagner Moura é defendido pelo povo

Nas demais respostas, os internautas debocharam do deputado, questionando o que ele esperava que as pessoas comessem na ocupação: “Ele queria que a galera do MTST tivessem servido osso”. Outra pessoa comentou:

Não é o camarão na marmita do MTST que incomoda a elite de direita brasileira. Ela sabe que aquilo que come no café da manhã é o triplo do valor. O que incomoda é a consciência de que todas as pessoas podem alcançar essa mesma alimentação com luta organizada. Ela sente ódio”.

Direitistas raivosos com a foto do Wagner Moura comendo acarajé no prato na ocupação do MTST mostra que o bolsonarismo vibra com a fome e, acima de tudo, desconhece a cultura brasileira”, respondeu Boulos.

Confira:

MAIS LIDAS

Lucas Medeiros
Lucas Medeiros é formado em Comunicação Social e escreve sobre o dia a dia da TV.
Veja mais ›