Emilio Dantas revela detalhes sobre cenas quentes em Todas As Mulheres do Mundo

Emilio Dantas
Emilio Dantas emenda Todas as Mulheres do Mundo, série do Globoplay, e Fim (Imagem: João Miguel Júnior / Globo)

Emilio Dantas está no ar na série Todas As Mulheres do Mundo, do Globoplay, que teve seu último episódio disponibilizado nesta terça-feira (20). Na trama, ele interpreta o protagonista Paulo, um arquiteto morador de Copacabana que, depois de trair e romper com a namorada Maria Alice (Sophie Charlotte), se relaciona com uma mulher diferente em cada um dos doze episódios.

Durante entrevista ao colunista Zean Bravo, o ator foi sincero ao revelar qual foi a maior dificuldade para viver o personagem:

O maior desafio foi prático. Ele se relaciona com uma mulher diferente a cada episódio. Eu não tive tempo para debater com as atrizes que fizeram as participações, apesar de elas terem sido muito solícitas e corajosas. Todas as cenas de sexo foram engraçadas e constrangedoras. Era muito engraçado gravar usando só uma meia. E não era no pé”, entregou o ator, aos risos, ao comentar sobre o tapa-sexo improvisado.

A obra escrita por Jorge Furtado e Janaína Fischer é uma inspiração do filme de Domingos Oliveira, lançado em 1966. Inclusive o título permaneceu o mesmo usado pelo cineasta.

O comportamento do personagem virou polêmica na internet, até mesmo sendo apontado como machista. Sobre as afirmações que circularam na web, Emilio pontuou: “A série abriu um espaço para essa reflexão. Gosto de poder subverter e trazer mesmo um debate. Existe um machismo estrutural no Paulo, e ele mesmo não se dá conta . Hoje em dia tudo é muito delicado. O caminho é evoluir e não ficar parado. Mas muita gente não vê e já vem falar que odeia”.

Ao falar sobre as criticas sobre a necessidade de ter, mais uma vez, um homem dizendo o que pensa sobre as mulheres, o artista destacou:

Eu concordo plenamente, a gente estava até brincando outro dia que, para uma segunda temporada, a Laura [amiga de Paulo, interpretada por Martha Nowill] poderia ser a protagonista, acho que aí a coisa andaria bonito. No meu entender, é o seguinte: na arte, a gente sempre precisa movimentar o que está parado. Uma mulher como protagonista seria apenas um regozijo do que a gente já conhece que é essa evolução, esse descomplicamento feminino, essa segurança que as personagens da série trazem. Acho que é mais importante rever os conceitos masculinos do que simplesmente inverter os papéis”.

AvatarDa Redação
A Redação do RD1 é composta por especialistas quando o assunto é audiência da TV, novelas, famosos e notícias da TV.  Conta com jornalistas que são referência há mais de 10 anos na repercussão de assuntos televisivos, referenciados e reconhecidos por famosos, profissionais da área e pelo público. Apura e publica diariamente dezenas de notícias consumidas por milhões de pessoas semanalmente. Conheça a equipe.
Veja mais ›