Evangélicos criticam participação de Mara Maravilha na Marcha Para Jesus

Mara Maravilha
Mara Maravilha foi alvo de polêmica (Imagem: Reprodução / Instagram)

Mara Maravilha foi uma das artistas evangélicas que cantaram na Marcha Para Jesus, na tarde desta quinta-feira (20), em São Paulo. No entanto, sua repercussão acabou sendo um tanto negativa. Pelo menos nos comentários de suas redes sociais.

Ela publicou o vídeo de uma das apresentações no dia seguinte e, imediatamente, começou a ser acusada. Entre as opiniões dos que estavam no local, alguns fãs chegaram a dizer: “Sem unção nenhuma!”.

“O povo nem vibrou com ela, foi frio o presente momento em que ela fez uso do microfone. Deve ser por causa dos escândalos que a mesma se envolveu. Mas que Deus te restaure novamente”, desejou uma internauta.

“Ninguém mais a ver como uma serva de Deus. Só dá vexame essa aí viu?? Vexame não de está cantando uma musica a cristã mas sim de tentar ser e emplacar algo que não existe mais, sem credibilidade alguma!!”, afirmou mais um.

Entretanto, houve quem a defendesse. Um deles acreditou que o público não cantou com a artista por não conhecer a música. “Sugestão: Nos próximos shows, pede pra incluírem a legenda no telão… Assim todos cantam você”, orientou.

Mara Maravilha se apresentou em evento polêmico

Além de Mara Maravilha, o cantor Fernandinho foi mais um que causou na Marcha Para Jesus. Na ocasião, ele ironizou a padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida, citando Cristo como o único Senhor do país.

“O Brasil não tem uma senhora, o Brasil tem um senhor, e o nome dele é Jesus”, disparou ele, no maior evento evangélico do país. A realização da 27ª edição da “parada gospel” aconteceu no dia do feriado de Corpus Christi e foi marcada por polêmicas.

Uma delas foi o fato do presidente Jair Bolsonaro ter feito os gestos de uma arma com a mão. Ele já havia marcado presença na marcha em outras ocasiões, mas agora, foi a primeira vez que um presidente da República esteve no ato.

Essa, porém, não é a primeira vez que a Nossa Senhora Aparecida é menosprezada no meio protestante aqui no Brasil. Em 1995, na Record, um bispo da Igreja Universal chegou a chutar a imagem da santa que representa o catolicismo.

Vinte anos depois, o bispo Edir Macedo, líder da igreja e dono da emissora, criticou a atitude em entrevista no SBT.

CONTINUE LENDO →

Lucas Medeiros é formado em Comunicação Social e compartilha o dia a dia dos artistas, famosos e celebridades. Acompanhe no Instagram clicando aqui!