Famoso por personagens na TV, Sérgio Mamberti marcou gerações; relembre algumas curiosidades do ator

Sérgio Mamberti
Sérgio Mamberti em foto de março de 2017 (Imagem: Celso Tavares / G1)

Sérgio Mamberti marcou gerações com seu trabalho na TV e no teatro ao longo de seus 82 anos de vida. O ator, no entanto, veio a óbito na sexta-feira (03), em São Paulo, em razão de falência múltipla de órgãos.

O famoso deixou um legado rico e diversificado em suas participações na telinha. Diante disso, selecionamos alguns momentos marcantes de Sérgio Mamberti na produção audiovisual brasileira, confira!

Sérgio colecionou diversos papéis de destaque na TV, mas foi na série Castelo Rá-Tim-Bum que o ator conheceu um de seus mais queridos, o Dr. Victor, no programa exibido pela TV Cultura.

Sérgio Mamberti e Angela Dippe, caracterizada como a personagem Penélope, em foto de março de 2017 (Imagem: Celso Tavares / G1)
Sérgio Mamberti em foto de março de 2017 (Imagem: Celso Tavares / G1)

“Adoro fazer televisão. Em 1969, fiz meu primeiro programa na TV Cultura, era uma peça de teatro chamada Amores e Licores”, disse o ator. “Sem dúvida, o Dr. Victor é o meu trabalho dos tempos de TV Cultura mais lembrado e, claro, me orgulho disso”, contou.

Além disso, Sérgio Mamberti participou de produções da TV Globo como as séries: A Diarista, A Grande Família e Os Normais.

No teatro, o ator dirigiu peças importantes no cenário paulista. No ano de 2019, Mamberti estreou a peça Um Panorama Visto da Ponte, ao lado de Rodrigo Lombardi.

Elenco da peça Um Panorama Visto da Ponte (Imagem: Divulgação)
Rodrigo Lombardi e Sergio Mamberti em cena de Um Panorama Visto da Ponte (Imagem: Divulgação)
Rodrigo Lombardi e Sérgio Mamberti (Imagem: Ale Catan / Divulgação)

No cinema, Sérgio estreou nas telonas em 1966 com a comédia Nudista à Força, de Victor Lima. Em seguida, emplacou sucessos como O Bandido da Luz Vermelha (1968), Toda Nudez Será Castigada (1973), O Homem do Pau Brasil (1980), A Hora da Estrela (1985) e A Dama do Cine Shangai (1987).

Na teledramaturgia, Mamberti deixou suas digitais em diversas produções televisivas como As Pupilas do Senhor Reitor, Dona Beija, Vale Tudo, A História de Ana Raio e Zé Trovão, Pantanal, As Noivas de Copacabana, Olho no Olho, Anjo Mau, A Muralha, Estrela-Guia, O Clone, Sabor da Paixão, Da Cor do Pecado, O Profeta, Desejo Proibido, O Astro, A Vida da Gente, Flor do Caribe e Sol Nascente.

Sérgio Mamberti em cena da novela Vale Tudo, de 1988 (Imagem: Acervo Globo)
Sérgio Mamberti em cena de A Muralha, de 2000 (Imagem: Acervo Globo)
Renata Sorrah e Sérgio Mamberti em cena da novela Vale Tudo, de 1988 (Imagem: Acervo Globo)
Sérgio Mamberti em cena da novela Olho no Olho, de 1993 (Imagem: Acervo Globo)
Sérgio Mamberti (Silvano) e Aracy Balabanian (Hermínia) em cena da novela Sabor da Paixão, de 2002 (Imagem: Gianne Carvalho / Globo)
Sérgio Mamberti em cena da novela Anjo Mau, de 1997 (Imagem: Acervo Globo)
Sérgio Mamberti e Rodrigo Santoro em cena da novela Estrela-Guia, de 2001 (Imagem: Acervo Globo)

Sérgio ainda marcou presença em produções infantis como Xuxa Abracadabra (2003) e O Cavaleiro Didi e a Princesa Lili (2006).

Em 2021, o famoso lançou sua biografia intitulada Sérgio Mamberti: Senhor do Meu Tempo.

Sérgio narra amores e desafios da carreira em biografia (Imagem: Divulgação)

No ano de 1964, Sérgio se casou com Vivien Mahr e teve três filhos: Duda, Fabrício e Carlos. Em 1980, Mamberti ficou viúvo e, depois disso, teve Ednaldo Torquato como companheiro por 37 anos, até 2019, quando Torquato morreu. Em sua biografia, o ator comentou sobre a bissexualidade.

Sérgio e o companheiro, Ednaldo Torquato (Imagem: Reprodução)

Sérgio dedicou parte de sua carreira à política. O ator, ao lado do colega Paulo Betti, foi um dos criadores do Partido dos Trabalhadores (PT). Além disso, Mamberti foi secretário de Música e Artes Cênicas, secretário da Identidade e da Diversidade Cultural e presidente da Funarte (Fundação Nacional de Artes) nos governos dos ex-presidentes Lula (2003-2011) e Dilma Rousseff (2011-2014).

Sérgio Mamberti, Florestan Fernandes e Paulo Betti em campanha de Telma de Souza, candidata pelo PT (Imagem: Reprodução)

Para compor o Tio Victor do Castelo Rá-Tim-Bum, Sérgio Mamberti disse que se inspirou em Leonardo da Vinci. “O castelo é atemporal, então a figura do doutor Víctor está muito mais ligada ao conceito mais integrado de ciência e criação que existe no início da Renascença, com Da Vinci, por exemplo. Tanto que tem um capítulo maravilhoso que é todo feito em cima do Da Vinci. Eu me inspirei muito nisso”, afirmou Mamberti em trecho publicado no livro Raios e Trovões: A História do Fenômeno Castelo Rá-Tim-Bum, escrito por Bruno Capelas.

Dr. Victor, personagem eternizado por Sérgio no Castelo Rá-Tim-Bum (Imagem: Divulgação)
Cinthya Rachael, Sérgio Mamberti, Luciano Amaral e Freddy Allan nas gravações de Castelo Rá-Tim-Bum (Imagem: Reprodução / Instagram)

“A coisa mais maravilhosa dele é que se cria o novo conceito da família. Os magos tinham aquela organização familiar maluca: tem aquela mulher maluca que é a Morgana, que é mais velha do que o doutor Victor. O Nino não é filho, é sobrinho, as crianças chegam, são do mundo exterior, entendeu, e vem conviver”.

A TV Cultura fez uma homenagem ao ator por meio de uma animação e compartilhou em suas redes sociais. Confira:

Esse conteúdo não pode ser exibido em seu navegador.

A Globo, por meio do Jornal Nacional, noticiou a morte o ator, assista:

Esse conteúdo não pode ser exibido em seu navegador.

Reuber Diirr
Reuber Diirr é formado em jornalismo pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Com passagens pela Record News ES e TV Gazeta (Globo/ES), acompanha as coletivas de imprensa com matérias exclusivas. Além disso, produz conteúdo multimídia para o Instagram, Twitter, Facebook e Youtube do RD1. Acompanhe os eventos com famosos clique aqui!
Veja mais ›