Fernanda Gentil relembra ataques e apoio ao anunciar relacionamento lésbico

Fernanda Gentil
Fernanda Gentil relembra texto de quando assumiu relacionamento homoafetivo (Imagem: Reprodução / Instagram)

Há quatro anos, Fernanda Gentil gritava aos quatro cantos sobre o seu amor por Priscila Montandon, com quem segue casada até hoje. Ao relembrar o episódio, a jornalista lembrou a onda de amor e críticas que recebeu publicamente por seu relacionamento homoafetivo.

Há exatos 4 anos o Brasil sabia que que eu estava namorando uma mulher, e, (só) por isso, eu recebia uma onda de carinho de todos os lados. Mas paralela a ela, ao mesmo tempo, uma outra onda também se formava na minha direção; de mensagens ruins, chatas, e cheias de maldade. Acontece que antes desse dia chegar, eu sempre falei pra minha família que a onda seria grande, mas que ficássemos tranquilos, porque, afinal de contas, a gente sabia nadar. E assim foi: a onda ruim veio, e a gente nadou. A onda boa veio, e a gente surfou… e surfa até hoje! Porque o legado dela foi eterno: lembrei quantas pessoas me amam, estão comigo, e como eu sou sortuda pelas amizades e família que tenho“, iniciou ela na mensagem.

Em seguida, Fernanda avisou que estava repostando o texto escrito naquela época, como forma de motivar outras pessoas LGBT ou até mesmo aqueles que estão passando por problemas difíceis na vida, de forma geral.

Mas como sei que estou sim na bolha e os meus privilégios não me deixam ser parâmetro, estou repostando o texto que escrevi quando faltava um minuto para aquele dia acabar – o dia em que o Brasil soube. O dia da onda. Esse texto é só pra dizer pra você, que seja lá qual for o seu furacão – uma demissão, um divórcio, uma paixão por alguém do mesmo sexo, uma mudança de vida, ou uma nova empreitada na sua caminhada – saiba que a onda sempre passa. O dia seguinte nasce. E a piscina (referência ao texto que escrevi, pra entender tem que ler) sempre vai continuar lá”, concluiu.

Nos comentários, muitos apoiaram a postura da famosa e desejaram sucesso em seu relacionamento.

Acho que caiu um cisco aqui“, disse uma, emocionada. “Te admiro tanto que você não tem ideia! Obrigada por partilhar e nos motivar a entender que tudo passa“, agradeceu outra. “Caramba, como passa rápido! Lembro do dia que li o texto como se fosse hoje… Me emocionei! Tu é demais!“, exaltou uma terceira.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Há exatos 4 anos o Brasil sabia que eu estava namorando uma mulher, e, (só) por isso, eu recebia uma onda de carinho de todos os lados. Mas paralela a ela, ao mesmo tempo, uma outra onda também se formava na minha direção; de mensagens ruins, chatas, e cheias de maldade. . Acontece que antes desse dia chegar, eu sempre falei pra minha família que a onda seria grande, mas que ficássemos tranquilos, porque, afinal de contas, a gente sabia nadar😏😉. E assim foi: a onda ruim veio, e a gente nadou. A onda boa veio, e a gente surfou… e surfa até hoje! Porque o legado dela foi eterno: lembrei quantas pessoas me amam, estão comigo, e como eu sou sortuda pelas amizades e família que tenho. . Mas como sei que estou sim na bolha e os meus privilégios não me deixam ser parâmetro, estou repostando o texto que escrevi quando faltava um minuto para aquele dia acabar – o dia em que o Brasil soube. O dia da onda. Esse texto é só pra dizer pra você, que seja lá qual for o seu furacão – uma demissão, um divórcio, uma paixão por alguém do mesmo sexo, uma mudança de vida, ou uma nova empreitada na sua caminhada – saiba que a onda sempre passa. O dia seguinte nasce. E a piscina (referência ao texto que escrevi, pra entender tem que ler) sempre vai continuar lá. . Passem pro lado e espero que as minhas palavras de 4 anos atrás voltem a fazer algumas pessoas sorrirem e se sentirem em paz. ❤️ #tbt

Uma publicação compartilhada por Fernanda Gentil (@gentilfernanda) em

CONTINUE LENDO →

Jornalista, especialista em Comunicação Organizacional, apaixonado por café, crônicas e um bom papo. Encantado pelo entretenimento e pela possibilidade de contar e conhecer várias histórias ao mesmo tempo.