Globo Rural provoca família Bolsonaro e lembra como plantar laranjas

Bolsonaro
Globo Rural provoca a família Bolsonaro (Imagem: Reprodução – Divulgação – Globo / Montagem – RD1)

Na Globo, enquanto o núcleo de humor da emissora é responsável pelas alfinetadas pertinentes ao Governo Bolsonaro, o jornalismo busca manter a sobriedade. O Globo Rural, porém, não perdeu as oportunidades que surgiram durante o ano e na última quinta-feira (27) provocou a família do presidente com dicas como plantar laranjas.

O perfil do programa no Twitter compartilhou um artigo sobre a fruta e alfinetou: “Esse ano aprendemos muito sobre laranjas”.

A mensagem foi em referência aos casos envolvendo laranjas na família Bolsonaro, como o filho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro, e seu ex-assessor, Fabricio Queiroz.

Internautas entenderam o deboche e reagiram nos comentários, entre eles a atriz Patrícia Pillar. “Sim, aprendemos!”, concordou a global.

“Esse estagiário do Globo Rural tem que ser promovido de imediato”, pediu um seguidor. “Deboche? Temos!”, comemorou mais uma. “Chocolates, milícias, gado e rachadinhas”, enumerou um terceiro. “Aprendemos muito! Mas não prenderam um”, alfinetou outro.

Confira:

Globo
Globo Rural alfineta família Bolsonaro (Imagem: Reprodução / Twitter)

Bolsonaro questiona cinema nacional e faz reclamação sobre filmes

Jair Bolsonaro fez uma live em rede social e questionou, nesta quinta-feira (26), a qualidade da atual produção audiovisual brasileira. Os comentários foram feitos após ele ressaltar que a medida Cota de Tela pode ser encerrada com a “melhora” dos filmes nacionais.

O presidente afirmou que espera que sejam feitas no Brasil produções que interessem a população como um todo, “e não as minorias”. “Obviamente que, fazendo bons filmes, não vamos precisar de cota mais. Há quanto tempo a gente não faz um bom filme, não é?”, perguntou o político.

“Vamos fazer filmes da história do Brasil, da nossa cultura e arte, que interessa a população como um todo e não as minorias”, acrescentou Bolsonaro, que renovou, nesta semana, a Cota de Tela, medida que estabelece um número mínimo de filmes nacionais que devem ser exibidos pelas salas de cinema.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, ainda na rede social, o presidente soltou o verbo e garantiu que, a partir de agora, não cabe à indústria nacional fazer filmes que abordem a “questão da ideologia”.

Ele também aproveitou para defender uma releitura do período da ditadura militar. Na avaliação dele, as produções sobre o assunto tinham “mentiras” sobre o passado.

Paulo Carvalho acompanha o mundo da TV desde 2009. Radialista formado e jornalista por profissão, há cinco anos escreve para sites. Está no RD1 como repórter e escreve semanalmente para a coluna Você Sabia?. Pode ser encontrado nas redes sociais no @pcsilvaTV ou pelo email paullocarvalho19@gmail.com.

WordPress Lightbox