Google obedece Anitta, altera o significado da palavra “patroa” e cantora reage

Anitta
Anitta não gostou nada do termo dado pelo Google (Imagem: Reprodução / Instagram)

O Google decidiu acatar o protesto de Anitta, que não gostou nada de se deparar com o significado do termo “patroa” definido pelo dicionário do Google, que foi escrito de forma machista, como “mulher do patrão” e “dona de casa”.

publicidade

Inicialmente, a empresa emitiu uma nota afirmando que não tem controle editorial sobre definições geradas por seus parceiros, que, no caso, trata-se de um dicionário terceirizado, mas dias depois, a mudança foi realizada.

Antes, o termo “patroa” significava, no Google, a “mulher do patrão”, mas agora, após a reclamação de Anitta, significa “proprietária ou chefe”. As definições são feitas pela Oxford Languages e Anitta fez questão de divulgar a mudança nos Stories.

publicidade

Veja Também

“Feito”, disparou, em tom de ironia. Na época da crítica, ao ver que “patroa” significava “mulher do patrão ou dona da casa”, Anitta disparou: “Ah, mano. Vá para a ponte que pariu. Patroa é o cacete do feminino da mesma porra que está escrito lá no patrão”.

“É dona e proprietária do cacete que eu quiser. Eu hein? É inacreditável, não tô acreditando que isso tá no nosso dicionário!”, completou. Vale lembrar que a palavra “patroa” tem uma relação com polêmica quando se fala de Anitta.

O termo viralizou após ter sido usada por ela em uma conversa exposta por Ludmilla, há cerca de três meses, quando a artista entrou numa treta com a rival e mostrou a Poderosa conversando em um grupo no WhatsApp entre cantoras, se autointitulando como a “patroa”.

Confira:

publicidade

https://www.instagram.com/p/CFPPbTnBo83/

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

publicidade

O que você achou? Siga @rd1oficial no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui
Lucas MedeirosLucas Medeiros
Redator Publicitário e Gestor de Marcas. Formado em Comunicação Social pela UFRN, escreve desde 2011 sobre o universo televisivo, séries, filmes e novas mídias de forma conectada com as tendências da atualidade.