Gregorio Duvivier diz que Bolsonaro prefere cloroquina e nega vacina

Gregorio Duvivier
Gregorio Duvivier não perdoa Bolsonaro por falta de vacina (Imagem: Reprodução – Globo / Montagem – RD1)

Gregorio Duvivier desabafou sobre a falta de vacinas no país e culpou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O governo brasileiro não respondeu dezenas de e-mails de farmacêuticas como a Pfizer e o Instituto Butantan sobre a compra de imunizantes contra a Covid-19 no ano passado.

“Vai bater 500 mil mortos. E o cara negou. A vacina. Era para ter, né? Mas o cara… Negou. A vacina. Apostou na cloroquina. Deu nisso. 500 mil mortos. Porque o cara negou a vacina. Apostou. Na. Cloroquina. 500 mil mortos”, desabafou no Twitter.

“Este é um Gov. Militar. Militares têm uma noção distorcida de Estado. Para eles o Estado assenta-se em preceitos como soberania, patriotismo e legalismo. Estão errados. O Estado fundamenta-se na dignidade da pessoa humana. Com a visão deles não haverá êxito no combate à pandemia”, afirmou um internauta nos comentários da publicação.

“E continua duvidando dos testes de desenvolvimento da vacina”, lembrou outro. “Não julgo. A inteligência dele não chega a tanto. Só que poderia guardar a opinião para ele”, avaliou.

“Não apenas negou a vacina e insistiu num medicamento que ele sabe que é ineficaz como boicotou – de forma criminosa – o distanciamento social e o uso de máscaras”, esbravejou um terceiro.

Outra citou uma prima, vítima da Covid-19, e emocionou: “Talvez minha prima tivesse sido salva, e poderia viver toda a vida que ela ainda tinha pela frente. Nunca vou me conformar e nem esquecer os responsáveis por isso”.

Desde o início da pandemia, em março do ano passado, o país registrou mais de 480 mil mortos pelo coronavírus e 17 milhões de infectados pela doença.

Confira:

Paulo Carvalho
Paulo Carvalho acompanha o mundo da TV desde 2009. Radialista formado e jornalista por profissão, há cinco anos escreve para sites. Está no RD1 como repórter. Pode ser encontrado nas redes sociais no @pcsilvaTV ou pelo email [email protected].
Veja mais ›