Joelma revela detalhes de sua vida amorosa no Ritmo Brasil deste sábado (26)

Joelma
Joelma concedeu entrevista a Faa Morena, no Ritmo Brasil (Imagem: Reprodução/Instagram)

A cantora Joelma abriu o jogo sobre a sua vida amorosa em entrevista concedida por meio de videoconferência para a apresentadora Faa Morena, para o Ritmo Brasil, deste sábado (26), na RedeTV!. A artista paraense revelou que tem vivido a melhor fase de sua vida.

“Estou tão feliz, plena, completa e as pessoas ficam me perguntando se eu não estou namorando. Eu digo: ‘Não estou namorando, mas estou maravilhosamente bem’. Não pretendo namorar agora, estou curtindo meu momento”, afirmou ela.

Ainda no bate-papo, Joelma lembrou ainda o início da carreira e da forma pela qual foi descoberta, por um amigo quando cantava em um bar. “Cantei em um barzinho com meu amigo que fazia teclado e voz, foi ele que me colocou para cantar”, recordou.

“Gostava de ficar cantarolando nos intervalos das aulas e ele disse: ‘Preciso de uma voz feminina, vem cantar comigo, sua voz é diferente’. E eu recusei dizendo que gostava muito de música, mas que não queria ser cantora. Eu amava tudo aquilo, mas dentro do meu quarto, só para mim”, confessou.

Durante entrevista recente a uma live no canal do YouTube de Marcos Mion, Joelma desabafou sobre a infância conturbada, na qual foi criada em uma casa com um pai espancador. A cantora relatou que a mãe apanhava constantemente do seu pai. E que só teve paz, assim como os demais membros da sua família, quando ele saiu de casa.

“Para mim foi um presente de Deus ver meu pai ir embora”, desabafou Joelma, que ainda completou relatando a rotina de agressões. “Era rotina. Todo dia meu pai bebia e todo dia era aquela violência em casa. Eu lembro que isso me fez querer não casar nunca”, revelou.

A ex-vocalista da banda Calypso também falou que achava que um dia poderia acontecer uma desgraça dentro de casa, mas para sua surpresa, um dia ele foi embora e nunca mais voltou.

“Eu pensei, realmente, que um dia ia dar ruim, que um dia ia acontecer uma desgraça. Não era só com a minha mãe. Era com a gente também, com as crianças também. Mas, graças a Deus, ele foi embora, eu tinha oito anos de idade quando ele foi embora e nunca mais voltou”, lembrou.

Joelma ainda contou que o clima de violência dentro de casa chegou a traumatizá-la a ponto de afetar seu comportamento. “Eu ia na casa dos meus amigos e não via a mesma cena, era só na minha casa. Isso cria algo revoltante dentro de você, isso afetou muito a minha infância, eu era uma criança completamente agressiva”, falou a paraense, revelando a difícil infância que teve.

Veja mais ›