Neymar toma atitude drástica após ser criticado por trançar o cabelo e web aponta racismo

Neymar
Neymar toma atitude drástica após ser criticado por trançar o cabelo e web aponta racismo (Imagem: Reprodução / Instagram)

Quem acompanha Neymar desde o início ou presta atenção nele, certamente já se deu conta que ele já mudou de visual incontáveis vezes. O craque não agradou tanto após colocar tranças no cabelo e recebeu uma onda de críticas. Depois da repercussão controversa, ele tomou uma atitude radical e seus fãs enxergaram racismo nos haters.

Na quarta-feira (14), o jogador de futebol resolveu trançar o cabelo com a renomada Nanda Burguesinha, famosa por estilizar os fios de famosos como Seu Jorge, Adriane Galisteu e a ex-BBB Gleici Damasceno.

Na tarde deste sábado (17), Neymar mudou de ideia e tirou as tranças totalmente, definindo a nova aparência de uma forma bem clara: “Bonde dos carecas”. O clique foi compartilhado nos Stories do Instagram, não permitindo comentários públicos, mas a novidade virou assunto no Twitter.

Um internauta lamentou o fato do esportista ter cedido à pressão popular: “Muito triste ver o que aconteceu com Neymar, por ele colocar tranças. Nos temos que aprender muito como sociedade a respeitar o próximo”. De forma mais simples, outro tuiteiro demonstrou sua revolta: “Neymar tirou as tranças no dia seguinte pelo tanto de ataques que sofreu. Até quando?”.

Teve quem apontasse um problema ainda mais grave: “O que ele sofreu é racismo. Ele provavelmente tirou as tranças por causa da chuva de comentários racistas. Essa p*rra é racismo”. Mais um continuou com essa tese: “Olha, Neymar pode ser o que for, mas ver um homem preto tirar as tranças porque foi zoado na internet me dá vontade de vomitar. Não tem graça, porr*”.

Confira:

Neymar
Neymar tira as tranças após sofrer críticas (Imagem: Reprodução / Instagram)

Matheus Henrique Menezes
Oficialmente redator desde 2017. Experiências como editor e social media. Já escrevi sobre famosos, TV, novelas, música, reality show, política e pauta LGBTI+. Vídeos complementares no YouTube, no canal Benzatheus.
Veja mais ›