Pabllo Vittar participa de quadro do Caldeirão do Huck e acaba caindo no choro

Pabllo Vittar acabou chorando em quadro (Imagem: Reprodução – Globo / Montagem – RD1)

Pabllo Vittar nunca escondeu de ninguém que veio de uma família humilde e foi surpreendida pelo Caldeirão do Huck no quadro Visitando o Passado.

A produção reconstrói a casa antiga dos famosos em uma narrativa emocionante, fazendo com que eles relembrem momentos que marcaram suas vidas.

Muitos já passaram pela experiência e Pabllo Vittar será a próxima. No quadro, ela reencontrou a casa onde morou com a mãe e suas duas irmãs.

Ela, Phamella e Polyanna passaram a adolescência no local, que fica no município de Santa Izabel do Pará, durante dez anos.

No mesmo programa deste sábado (26), Pabllo Vittar vai falar sobre o Dia do Orgulho LGBTQIA+.

Vale lembrar que, recentemente, a drag queeen revelou sua verdadeira sexualidade e, além de admitir o interesse em mulheres, abriu o jogo sobre questões íntimas da hora H.

Na música a Triste com T, ela narra a lua de mel de uma noiva largada no altar e dá o tom do futuro videoclipe no teaser: “É o que dá ser piranha”.

Seguindo a linha de seu novo trabalho, Pabllo já deixou bem claro, em entrevista ao jornal O Globo, que não é muito fã de namoro e faz sexo com quem tiver vontade:

Sou rapariga mesmo. Não namoro porque gosto de ficar com muita gente. Fico com mulheres, homens héteros, homens gays… Gosto de corpos”.

A cantora aproveitou para explicar que embora peça que a tratem no feminino quando está toda montada, quer ser tratada no masculino nos momentos que não estiver produzida:

Eu sou um menino gay que se veste de drag. A gente vive no país que mais mata trans e travestis no mundo. Eu não posso ocupar o espaço de visibilidade delas. As trans são marginalizadas e passam por coisas que eu nunca passei e nunca vou passar. Neste mês do orgulho gay, então, é mais importante ainda reforçar essa mensagem”.

Pabllo Vittar contou que sempre foi apoiado pela mãe, Verônica Rodrigues, desde quando usava lápis nos olhos para ir à escola, aos seus 13 anos. Além disso, ela lembrou de um episódio homofóbico que passou:

Uma vez, esvaziaram o pneu da minha bicicleta, e eu só repetia mentalmente: ‘Pelo menos não quebraram a minha cara’”. Sua mãe logo avisou: “É só o começo. Prepare-se”.

Por fim, a drag queen se apresentou pela primeira vez aos 18 anos, numa boate de Uberlândia (MG) e sua carreira profissional começou aos 26 anos, em 2016. Suas grandes inspirações para essa arte são a própria mãe e a lendária Márcia Pantera.

Da Redação
A Redação do RD1 é composta por especialistas quando o assunto é audiência da TV, novelas, famosos e notícias da TV.  Conta com jornalistas que são referência há mais de 10 anos na repercussão de assuntos televisivos, referenciados e reconhecidos por famosos, profissionais da área e pelo público. Apura e publica diariamente dezenas de notícias consumidas por milhões de pessoas semanalmente. Conheça a equipe.
Veja mais ›