Paulo Vieira e Juliana Paes estão no primeiro Caldeirão com Marcos Mion

Caldeirão
Paulo Vieira e Juliana Paes aparecem ao lado de Marcos Mion no estúdio do novo Caldeirão                      (Imagem: Divulgação / João Cotta)

No primeiro Caldeirão sob o comando de Marcos Mion, a produção do programa da Globo convidou Paulo Vieira e Juliana Paes para o quadro Tem ou Não Tem. Antes com anônimos inscritos, a atração ganhou um novo formato, desta vez com a participação de celebridades da emissora.

Paulo e Juliana levaram integrantes de suas respectivas famílias para o confronto no palco do vespertino.

Marcos Mion esteve à frente da gravação sob o olhar atento de Boninho. A gravação ocorreu na última quinta-feira (26). Do diretor, o novo contrato recebeu um buquê de flores com uma carta de boas-vindas.

A nova estrela da Globo foi anunciada oficialmente no dia 6 de agosto para o comando do novo Caldeirão e de pelo menos dois projetos no Multishow.

Recentemente, Juliana Paes concedeu uma entrevista ao jornal O Globo e revelou que atravessou um momento muito conturbado durante as gravações de A Dona do Pedaço em 2019. Ela sofreu diversas perdas em um espaço muito curto.

“Primeiro foi minha cachorra, Chloé. Ela estava há 21 anos comigo. Já esperava a morte dela. O problema foi a forma… Ela morreu afogada na minha piscina. Uma semana depois, foi meu tio mais próximo, irmão da minha mãe. Depois de sete dias, meu tio favorito, com quem eu tinha uma mentoria espiritual. Foram perdas próximas e não consegui viver o luto porque estava gravando”, contou.

A situação provocou uma dificuldade de comunicação com a própria família. “Como sou essa pessoa que está sempre rindo, alegre, o entorno não credibilizasse essas dores, como se eu não estivesse autorizada a ficar triste. Isso me atrapalhou muito nesse processo, até com a família”, admitiu.

Em junho, Juliana Paes se envolveu em uma polêmica por causa de um vídeo com declarações políticas. “Fiquei instável, me desestabilizou. Pensei: ‘Fui respeitosa, não fui agressiva, o que pode ter feito surgir algo raivoso?’. Talvez, tenha subestimado meu poder de opinião. Tomou uma proporção maior do que eu podia alcançar. Recebi mensagens de Brasília, de advogados, juízes. Minha assessoria fez uma triagem do que era relevante ler. Porque era impossível ler tudo”, recordou.

Paulo Carvalho
Paulo Carvalho acompanha o mundo da TV desde 2009. Radialista formado e jornalista por profissão, há cinco anos escreve para sites. Está no RD1 como repórter. Pode ser encontrado nas redes sociais no @pcsilvaTV ou pelo email [email protected].
Veja mais ›