Polêmica matéria de Bolsonaro na Globo humilha defesa na Record

Bolsonaro
William Bonner no Jornal Nacional; matéria sobre Jair Bolsonaro na Globo rendeu muito mais audiência do que defesa na Record (Imagens: Reprodução / Globo – Record)

O Jornal Nacional, da Globo, trouxe à tona, nesta terça-feira (29), a menção ao Presidente da República Jair Bolsonaro (PSL) no processo que investiga o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), em março do ano passado. Revoltado, Bolsonaro se defendeu em entrevista ao Jornal da Record; em transmissão ao vivo via Facebook, porém, pediu por espaço na bancada do ‘JN’.

Conforme destacado no Twitter do RD1, “a irritação de Jair deve-se, também, ao tamanho do ‘inimigo'”. O polêmico Jornal Nacional que “persegue” Bolsonaro, segundo o próprio, conquistou 34,6 pontos nesta terça, isolado na liderança, com ampla vantagem sobre as concorrentes; o Jornal da Record onde ele se defendeu registrou míseros 4,6 pontos.

Isto significa que mais de 2 milhões e 500 mil telespectadores assistiram o Jornal Nacional e a matéria sobre a citação a Jair Bolsonaro no processo relacionado aos homicídios de Marielle e do motorista que a atendia, Anderson Gomes – o que levaria o caso para o STF. Apenas pouco mais de 300 mil pessoas conferiram a auto-defesa dele no Jornal da Record. Os dados são referentes a Grande São Paulo.

Em tempo: a reportagem de Paulo Renato Soares que irritou o Presidente da República não o “culpou”. Pelo contrário. Bolsonaro foi citado pelo porteiro do condomínio em que morava no Rio de Janeiro como responsável pela entrada no local de Élcio de Queiroz, apontado como um dos responsáveis pela morte de Marielle.

Élcio teria se apresentado como visitante da casa de Jair; uma vez dentro do residencial, porém, seguiu para o imóvel de Ronnie Lessa, outro implicado no crime. A Globo destacou a contradição nas anotações e no depoimento do porteiro: na data mencionada, o então deputado federal estava dando expediente em Brasília.