Por que a mudança de Faustão para a Band causa espanto na web?

Faustão
Faustão vai da Globo para a Band; mudança causa surpresa na web (Imagem: Reprodução / Globoplay)

A saída de Fausto Silva da Globo causou surpresa. O acerto do apresentador com a Band também. Mas, passado o impacto inicial de tais informações, é possível encarar tal troca com naturalidade. Faustão, gostem ou não, está entre os grandes nomes da TV brasileira. É também um dos maiores vendedores do meio – e envolve-se em ações de merchandising, articulando as exposições de tais marcas no Domingão. Fausto é e faz o show.

Exatamente por isso, a coluna questiona a “dispensa” da Globo. O canal acenou com a renovação, é fato, em condições que pouco favoreciam o contratado. As mais de três décadas de Faustão na casa, e os muitos ganhos, seriam reduzidas à uma atração nas noites de quinta-feira, horário e dia de prestígio menor e ganhos limitados. Há de se entender, porém, que o canal é quem norteia as mudanças de rota na TV brasileira…

Raramente, vemos a concorrência promover alterações relevantes em formatos ou grades. Evidente que tirar Fausto Silva do domingo é um “tiro no escuro” – principalmente com o substituto óbvio, Luciano Huck, metido em devaneios políticos. O baque pode ser grande, em audiência e faturamento. Mas, diante de qualquer movimento, bem-sucedido ou não, da emissora líder, as outras se mexem… E a Band foi a primeira a tomar um novo rumo.

A volta de Faustão confere status à empresa, perante público e mercado publicitário. No momento em que a Record patina com o alinhamento cada vez mais óbvio de canal e Igreja Universal do Reino de Deus, da linha adotada pelo jornalismo às novelas, e o SBT padece com inconstância de Silvio Santos, a Band surge como opção segura para investimentos. A programação está estabilizada; as finanças parecem mais equilibradas.

Nós da Curto-Circuito, inclusive, recebemos com surpresa o descrédito das redes sociais sobre a mudança de Fausto para a Band. Não há dúvidas quanto ao poder dele entre anunciantes e o meio artístico – o que deve lhe garantir bons convidados. A emissora também demonstra competência em tudo que se propõe a fazer – ainda que tenha dado muitos tiros n’água nos últimos tempos. Da coluna, fica a torcida para que essa parceria encontre o êxito.

Esporte

Para popularizar o Mitsubishi Cup, maior rally cross-country do Brasil, a montadora Mitsubishi fechou contrato com a Globo, a Band e a Gazeta para a divulgação do evento em programas esportivos na TV aberta. O Esporte Espetacular, o Show do Esporte e o Momento Velocidade destacarão os melhores momentos do torneio nas próximas semanas.

Cultura pop

Disponível no Brasil com exclusividade pela Globoplay, o documentário Framing Britney Spears surpreendeu até os mais otimistas e alcançou um público muito amplo na plataforma, segundo declarações do Gerente de Estratégia de Conteúdo da empresa, Antonio Augusto Valente, à imprensa internacional.

Vale conferir

A TV Cultura voltou a exibir o documentário Como Ela Faz?, mas desta vez em formato de série. Premiado na categoria Melhor Curta Estrangeiro no Hollywood Women’s Film Festival 2020, a atração aborda a igualdade de gênero, com imagens e depoimentos pessoais do cotidiano de 13 mulheres brasileiras. O primeiro dos cinco episódios foi exibido na última segunda-feira (3).

Acertando as contas

A coluna foi imprecisa ao informar, na última quarta-feira (5), que a Globo precisou de menos de três comerciais na final do BBB 2021 (no valor de R$ 547 mil cada) para pagar o prêmio da campeã da edição, Juliette Freire. Faltou incluir o imposto de renda que a emissora também banca – essa tarifa representa 27,5% do valor total do prêmio. São necessários, portanto, R$ 2.068.965,52 (ou quatro filmes publicitários) para que o primeiro colocado do reality receba de forma líquida R$ 1,5 milhão. A coluna agradece a advogada Patrícia S. Ikuno pela correção e fornecimento dos dados.

Huck x Bolsonaro – e Datena de plateia

Luciano Huck
Luciano Huck falou sobre as condutas de Jair Bolsonaro durante a pandemia, em entrevista a José Luiz Datena (Imagem: Reprodução / Rádio Bandeirantes)

Luciano Huck foi entrevistado por José Luiz Datena na última quarta-feira (5), na Rádio Bandeirantes. Em pauta, a despedida de Paulo Gustavo. O comandante do Caldeirão não poupou críticas a Jair Bolsonaro, que sempre pareceu próximo do âncora do Brasil Urgente. No dia em questão, o presidente ameaçou editar um decreto contra restrições necessárias para impedir o avanço da pandemia de Covid-19. O presidenciável rebateu:

Eu acho que é bravata. Não tenho a menor dúvida de que a proteção da economia ou dos empregos não é botar as pessoas na rua circulando e se infectando. Primeiramente, era você ter planejado a vacina. Nos países que conseguiram implementar programas de vacinação organizados a população tá praticamente imune. A vida tá voltando. E a gente não. A gente tá atolado e empacado porque foi muito incompetente na gestão dessa crise sanitária“.

Duh Secco e Daniel RibeiroDuh Secco e Daniel Ribeiro
A coluna Curto-Circuito é assinada por Duh Secco e Daniel Ribeiro, editor-assistente e repórter especial do RD1, respectivamente, e reúne, de terça a sábado, logo cedinho, o que é e vai virar notícia nas próximas horas envolvendo os movimentados bastidores da TV.
Veja mais ›