Felipe Camargo relembra Anos Dourados e trajetória vitoriosa na TV

Felipe Camargo
Felipe Camargo resgata lembranças de Anos Dourados em entrevista ao RD1; minissérie completa 35 anos (Imagens: Divulgação – Victor Pollak / Globo)

Há 35 anos, a Globo exibia o primeiro capítulo de Anos Dourados. A produção marcou a estreia de Felipe Camargo na TV. Logo, neste 5 de maio, o ator celebra três décadas e meia de carreira no veículo. A data coincide com a chegada de Roda de Fogo no Globoplay, primeira novela de Camargo, lançada meses após a conclusão da minissérie. A coluna bateu um papo com ele sobre tais trabalhos, a profissão e os próximos passos – após, claro, a vacina contra a Covid-19.

Em Anos Dourados, Felipe Camargo vivia o protagonista Marcos. O romance dele e de Lurdinha (Malu Mader) causava problemas para a moça; a mãe dela, Celeste (Yara Amaral), não admitia a paixão da herdeira pelo filho de uma desquitada, Glória (Betty Faria).

Fiz uma bateria de testes com vários atores, primeiro desconhecidos, depois com os da casa. E fui passando… E fui finalmente selecionado. Eu estudei muitos para as gravações! A estreia e a repercussão foram coisas inimagináveis pra mim porque, enfim, eu estava começando, meu primeiro trabalho, não tinha experiência nenhuma… E também não tinha experiência com a fama. Foi muito grande a repercussão, muito maior do que eu esperava”, recorda Felipe.

Antes da chegada à TV, Camargo já dominava os palcos. “A minha experiência veio através do teatro, né? Aí eu pude me sentir preparado para fazer um trabalho deste peso, desta magnitude na TV”, ressalta ele, que também usou da tarimba adquirida fora da telinha para compor Pedro, de Roda de Fogo:

O Pedro era quase a antítese do Marcos. Era uma cara que foi abandonado pelos pais. O Renato Villar (Tarcísio Meira) era um empresário inescrupuloso. E a Maura (Eva Wilma), mãe dele, lutou contra a ditadura e foi internada numa clínica na Itália. Então ele foi criado pela avó, Joana, da fantástica Yara Cortes. E foi incrível fazer esse trabalho com o Tarcisão, que era meu ídolo na TV, um cara que eu sempre admirei muito e muito generoso comigo nas gravações”.

Agora, já veterano, Felipe Camargo exalta a inquietude que novos personagens, e consequentes desafios, trazem.

Eu acho que experiência a gente ganha, mas eu não conto muito com isso antes de começar um trabalho porque todas as inseguranças aparecem. ‘Como é que é o personagem, como é que eu vou fazer’. A gente nunca sabe… O grande barato dessa profissão é você não ter uma coisa acomodada, é você tá sempre encarando novos desafios, muito ricos. Isso é muito bacana”, celebra ele que, tão logo a pandemia permita, vai retomar as gravações de De Volta aos 15, da Netflix.

Felipe ainda não definiu os trabalhos posteriores à série com Camila Queiroz e Maisa Silva. “Eu quero mesmo é vacina no braço. Eu já me vacinei da primeira dose, tô esperando aí pra tomar outra. Mas eu acho que o Brasil tem de estar todo vacinado pra voltarmos ao normal. Vacina no braço de todo mundo”, pede.

Galeria

Felipe Camargo
Felipe Camargo (Dante) e Andréa Beltrão (Elen) em Som & Fúria (Imagem: Zé Paulo Cardeal / Globo)

No bate-papo com a coluna, o ator destacou outros personagens inesquecíveis de sua imensa galeria. “‘Som & Fúria’, com direção do Fernando Meirelles, foi um trabalho excepcional, de muita qualidade. Eu tive a sorte de ser o protagonista da série. Foi muito bacana fazer, contracenar com Pedro Paulo Rangel, Andréa Beltrão, Daniel de Oliveira…”.

Além da minissérie de 2009, Camargo relembrou suas participações em três novelas das 18h: Bernardo, nas duas fases de Além do Tempo (2015); José Bonifácio, a “versão fictícia” do histórico ministro de Pedro I (Caio Castro) em Novo Mundo (2017); e Américo e Eugênio, duas encarnações completamente distintas de um mesmo homem, de Espelho da Vida (2018).

MAIS LIDAS

Duh Secco
Duh Secco é  "telemaníaco" desde criancinha. Em 2014, criou o blog Vivo no Viva, repercutindo novelas e demais atrações do Canal Viva. Foi contratado pela Globosat no ano seguinte. Integra o time do RD1 desde 2016, nas funções de repórter e colunista. Também está nas redes sociais e no YouTube (@DuhSecco), sempre reverenciando a história da TV e comentando as produções atuais.
Veja mais ›