Preta Gil reclama de gordofobia por ter marido musculoso e dá lição de autoestima

Preta Gil
Preta Gil reclama de gordofobia por ter marido musculoso e dá lição de autoestima (Imagem: Reprodução / Instagram)

Há 7 anos, Preta Gil se casou com Rodrigo Godoy, que além de ser 15 anos mais novo que ela, tem a diferença de ser um cara musculoso. Em entrevista, a cantora reclamou de machismo e gordofobia dos internautas, que cornetam seu relacionamento em comentários maldosos.

Em aparição no Saia Justa do GNT, nesta quarta-feira (8), a artista desabafou: “Até hoje, se eu posto uma foto com ele, me chamam de cafetina, ele de gigolô; ou dizem que ele só está comigo por causa do dinheiro e da vida boa

Finalizando esse papo cabeça, Preta lutou contra essa discriminação estética, de idade, de gênero ou qualquer outro elemento:

Veja Também

As pessoas não conseguem entender que o amor é possível de várias formas e que, sim, um homem mais jovem pode amar uma mulher mais velha. Um homem malhado pode, sim, amar uma mulher gorda. E que uma mulher gorda mais velha pode também amar um homem que está começando a sua vida”.

Confira:

Preta Gil relata dor após ser vaiada em público e faz desabafo

Atualmente uma voz importante na luta contra o preconceito, a filha de Gilberto Gil recordou de quando foi vaiada por usar o termo “mulata” em um discurso em público. Durante sua participação no Power Trip Summit, da revista Maria Claire, ela confessou:

Fiquei muito envergonhada, me perguntava: ‘Como isso não chegou até mim?’. Entendo a raiva que as mulheres ficaram. Estou vendo mulheres negras aqui nesse espaço, isso não existia. Na minha juventude sempre fui a única preta em todos os ambientes”.

Após o episódio, Preta Gil entendeu os privilégios que possui por não ser negra retinta, ter cabelos lisos e também por ser famosa, até mesmo com a ajuda de Taís Araújo:

Óbvio que aquilo me doeu. Se eu não tivesse sido vaiada talvez eu não tivesse amadurecido e aprendido tanto sobre a nossa história. A gente vive uma grande farsa no nosso país no que diz respeito à democracia racial. Vivemos uma disparidade. A gente está começando a emergir, se unir, mas ainda é tudo muito difícil. Temos que realmente provocar para que as instituições contem a nossa história de verdade”.

O que você achou? Siga @rd1oficial no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Matheus Henrique Menezes
Oficialmente redator desde 2017. Experiências como editor e social media. Já escrevi sobre famosos, TV, novelas, música, reality show, política e pauta LGBTQIA+. Vídeos complementares no YouTube, no canal Benzatheus.
Veja mais ›