RedeTV! enaltece uso de remédio sem comprovação de eficácia contra a Covid-19

RedeTV!
RedeTV propaga notícia sobre remédio sem eficácia contra a Covid-19 (Imagem: Reprodução / RedeTV!)

Texto atualizado em 21/03 às 09h20

O RedeTV News causou polêmica com uma reportagem de cerca de sete minutos falando sobre o uso da ivermectina, um remédio antiparasitário defendido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no “tratamento precoce” da Covid-19, mas que já teve a sua ineficácia comprovada por cientistas ao redor do mundo.

O telejornal da RedeTV!, aliada fiel ao governo, usou como pretexto para a produção da reportagem o pedido de um grupo de médias às autoridades de Portugal para o uso do remédio no combate ao vírus.

A reportagem não mostrou que no mesmo dia, em Portugal, a Infarmed (Autoridade Nacional de Medicamento e Produtos de Saúde) atestou que “não existem evidências que apoiem a utilização deste medicamento na profilaxia e tratamento da Covid-19”. As informações são do jornalista Maurício Stycer, da Splash.

Procurada, a RedeTV! informou que a sua correspondente em Londres, Erika Abreu, enviou “questionamentos à Infarmed, sem obter retorno” antes do fechamento da pauta para o RedeTV News. A matéria foi veiculada no dia 11 de março. Somente no dia 15, o canal exibiu corretamente a decisão da autoridade portuguesa, o equivalente à Anvisa no Brasil.

Com o título “Autoridades médicas defendem o uso de ivermectina no tratamento da Covid”, a matéria do canal pró-Bolsonaro se tornou a mais assistida no site do telejornal. O Alerta Nacional, de Sikêra Jr, exibiu 14 minutos de uma matéria sobre o mesmo assunto.

Na última terça-feira (16), com os desdobramentos da recusa da doutora Ludhmila Hajjar para o cargo de ministra da Saúde, a RedeTV! disse por meio da repórter Caroline Aguiar que a médica “é contra o tratamento precoce, método sem comprovação científica, que é defendido por Bolsonaro”.

O canal comandado por Amilcare Dallevo e Marcelo de Carvalho se tornou o principal propagador de notícias positivas do governo federal, e por vezes deixou de lado a situação caótica vivida pelo sistema de saúde e eximiu o governo do presidente Bolsonaro da culpa. Até o momento, o Brasil já alcançou mais de 285 mil mortos pelo novo coronavírus.

Em nota enviada ao RD1, a emissora paulista destacou que o RedeTVNews “trouxe informações sobre o uso da Ivermectina no tratamento preventivo a Covid-19 que voltava a ser debatido na Europa”.

“No entanto, em dois momentos a reportagem destacou a ausência de comprovação científica e das agências controladoras sobre a eficácia do remédio, durante os OFFs da correspondente internacional em Londres, Erika Abreu, e do repórter Giovanni César, de São Paulo”, apontou a assessoria da empresa.

A RedeTV! salinetou que a correspondente informou que “a Organização Mundial da Saúde chegou a divulgar estudos que identificavam a ineficácia do medicamento”. Já Giovanni afirmou que “no Brasil, assim como a Cloroquina e a Hidroxicloroquina, a Ivermectina está entre as drogas mais usadas para a prevenção e tratamento de casos leves de Covid-19. Nenhum desses medicamentos têm eficácia comprovada, o que levou médicos e cientistas a não aceitarem a utilização dos remédios nem no tratamento precoce nem quando ocorre a infecção pelo novo coronavírus”.

O canal garantiu que a posição da Inframed sobre o medicamento foi atualizada no RedeTVNews da última segunda-feira, 15, juntamente com o parecer de outras agências reguladoras europeias também procuradas.

“A Infarmed de Portugal alertou no último dia 11 que não existem provas que apoiem a utilização da Ivermectina no tratamento da Covid-19. A autoridade nacional do medicamento e produtos de saúde lembra que, apesar de vários estudos que analisam o potencial recurso a Ivermectina, ainda há dúvidas quanto à dose adequada e a segurança. A Infarmed informou ainda que ensaios clínicos e os seus resultados serão acompanhados de perto”, anunciou o telejornal.

“Já o Instituto Nacional de Controle de Medicamentos da República Tcheca publicou uma autorização de distribuição e uso temporário da Ivermectina”, completou.

Por fim, o veículo de comunicação garantiu que, “também na matéria do dia 15 de março, a correspondente informou que entrevistou uma fonte da agência de saúde do país, que além de confirmar a informação, disse ainda que o medicamento deve ser usado apenas em pacientes hospitalizados com mais de 18 anos de idade”.

AvatarDa Redação
A Redação do RD1 é composta por especialistas quando o assunto é audiência da TV, novelas, famosos e notícias da TV.  Conta com jornalistas que são referência há mais de 10 anos na repercussão de assuntos televisivos, referenciados e reconhecidos por famosos, profissionais da área e pelo público. Apura e publica diariamente dezenas de notícias consumidas por milhões de pessoas semanalmente. Conheça a equipe.
Veja mais ›