Repórter da Globo chora em telejornal ao noticiar 30 dias sem mortes por Covid

Globo
Kleber Teixeira não segurou a emoção e chorou ao vivo em telejornal (Imagem: Reprodução / Globo)

O repórter Kleber Teixeira não conseguiu segurar a emoção e chorou muito ao dar uma ótima notícia no RN1, telejornal da Inter TV Cabugi, afiliada da Globo no Rio Grande do Norte. A situação ocorreu na última terça-feira (5).

Em entrada ao vivo, o jornalista afirmou que o Hospital Giselda Trigueiro, unidade de referência para o atendimento de pacientes graves com Covid-19, em Natal, atingiu a marca recorde de 30 dias sem mortes pela doença.

“Eu vou conseguir. Sem mortes lá no Hospital Giselda Trigueiro… Desculpa”, declarou o repórter, que começou a chorar e soluçar. “Mais de 1200 pacientes já passaram lá no Giselda Trigueiro e tiveram alta na UTI. Há 30 dias não ocorrem mortes“, destacou.

Entre soluços, o repórter da Globo continuou: “A gente passou por momentos muito difíceis, tendo que dar essas notícias. Foram 7.343 mortes até agora por Covid, e aí quando a gente vê uma notícia como essa não tem como não desabar”.

Kleber Teixeira, então, encerrou a sua participação pedindo desculpas ao apresentador do jornal, Murilo Meireles. O âncora, por sua vez, comentou o momento de sensibilidade vivido pelo colega e afirmou que as desculpas não eram necessárias.

“Se você não conhece o Kleber pessoalmente deixa eu dizer para você, o Kleber é puro coração. Ele é meio coração da gente mesmo”, explicou o apresentador.

O âncora completou: “A gente lembra de tudo o que foi vivenciado ao longo desses quase dois anos, foi tudo muito intenso. E quando tem uma notícia como essa, 30 dias sem morte em um hospital que foi durante muito tempo o termômetro da pandemia na Região Metropolitana de Natal, a gente se emociona”.

No ano passado, Kleber ganhou as redes sociais por causa de um erro durante sua entrada ao vivo no telejornal. O momento, que mais pareceu um trava-língua inesperado, deixou o jornalista sem graça.

O profissional dava início a parte jurídica de uma notícia quando se enrolou na palavra inconstitucionalidade. “… Deferiu, julgou uma ação direta de incusti… incusto… incustu… É. Oi? Incusto… incustu… uma ação direta de incusto… Emmily, eu não estou conseguindo dizer…”, admitiu ele, após várias tentativas.

Após mais erros, o repórter cogitou: “Pronto, vou para a internet!”. Finalmente, como se alguém tivesse soprado a palavra correta no ouvido, o jornalista acertou: “Uma ação direta de Inconstitucionalidade. Emmily Virgílio, que enganchada aqui, pelo amor de Deus. Eu volto com você”.

Luiz Fábio Almeida
Luiz Fábio Almeida é jornalista, produtor multimídia e um apaixonado pelo que acontece na televisão. É redator e colunista do RD1. Está nas redes sociais no @luizfabio_ca e também pode ser encontrado através do email [email protected]
Veja mais ›