Simony relembra auge do sucesso no Balão Mágico e revela lado complicado da fama

Simony
Simony relembra auge do sucesso no Balão Mágico e revela lado complicado da fama (Imagens: Reprodução – Globoplay – Instagram / Montagem – RD1)

Simony esteve no Balão Mágico entre 1983 e 1986, entre os 7 e 10 anos de idade, vivendo o auge de sua carreira nessa época. Em passagem pelo Se Joga deste sábado (3), numa entrevista por videoconferência, a cantora falou sobre essa fase mais do que especial de sua vida.

Hoje com 45 anos, a famosa afirmou que apesar de tudo isso, nunca se sentiu como uma estrela, até porque era muito pequena na ocasião, e revelou algumas curiosidades de bastidores:

Nunca me senti uma estrela. Como criança não entendia muito bem o que estava acontecendo. Sempre quis ser cantora, e minha mãe era minha grande inspiração. Quando desmontavam o cenário, eu chorava. Era como se tivessem desmontado sua casa”.

O programa infantil acabou há 35 anos e mesmo assim ela se lembra da responsabilidade que tinha ainda criança, que se unia às alegrias: “Sempre tive responsabilidade, porque eu tinha uma vida de adulta, horário, regras… Mas era um prazer estar no camarim”.

Simony desabafou sobre a saudade dos colegas e da oportunidade de parcerias com nomes respeitáveis como Roberto Carlos, Djavan e Baby do Brasil: “Saudade de estar com os meninos, porque a gente acostumou. A gente viajava todo fim de semana. A gente tem uma história para contar. Se eu pudesse colocar meu sobrenome de Balão Mágico, eu colocaria”.

Orival Pessini (como o Fofão), Mike Biggs, Tob, Jairzinho, Ricardinho, Ticiane Pinheiro, Castrinho (como Palhaço Cascatinha) e Luciana Benelli foram os outros nomes que passaram pelo Balão Mágico. Os músicos desse conjunto lançaram 5 álbuns e 4 compilações, rendendo 4 discos de platina e 3 discos de diamante.

Confira:

Matheus Henrique Menezes
Oficialmente redator desde 2017. Experiências como editor e social media. Já escrevi sobre famosos, TV, novelas, música, reality show, política e pauta LGBTI+. Vídeos complementares no YouTube, no canal Benzatheus.
Veja mais ›